sábado, 27 novembro 2021
InícioCulturaMorre em Blumenau, Pedro Dantas; bailarino, artista plástico e comendador da cultura

Morre em Blumenau, Pedro Dantas; bailarino, artista plástico e comendador da cultura

 

Fotos: acervo pessoal

Morreu aos 77 anos em Blumenau nesta terça-feira (29/01/19), Pedro Dantas, conhecido pelo seu trabalho com esculturas e no ballet. A causa da morte não foi informada e o velório começou nesta quarta-feira (30/01/19) no Cemitério São José.

Biografia

Dantas nasceu no ano de 1941 em Mirandela, uma vila criada por portugueses no interior da Bahia. Desde criança Pedro desenvolvia belas artes com desenhos, pinturas e esculturas, mas foi a escultura que prevaleceu com obras compenetradas de paixão pela dança e as vivências do artista pelo mundo.

Aprendeu a esculpir com os avós que na época trabalhavam com argila e madeira, criando as figuras para o presépio de Natal. Ainda criança, Pedro foi morar em São Paulo, onde sua vizinha, que era professora de Ballet, lhe mostrou o caminho para a dança.

Nas peças que produziu, Pedro homenageia bailarinos que fazem parte de sua vida, imortalizando-os com obras que levam os seus nomes. Algumas de suas obras mais famosas são as esculturas na praça em frente ao Teatro Carlos Gomes, em Blumenau.

 

 

Na adolescência, em busca do aperfeiçoamento na dança, foi estudar na Escola de Teatro Municipal do Rio de Janeiro. Frequentou várias escolas de grandes mestres da época como: Maria Olenewa, Tatiana Lescowa, Vaslav Velthek, entre outros. O convívio com bailarinos talentosos e experientes como Aldo Lotufo, Bertha Rosanova e Emilio Martins lhe valeram as mais preciosas lições, que o fizeram perceber o seu valor e talento como bailarino. Mais tarde decide partir para a Europa.

 

 

Em quase 20 anos que esteve fora do Brasil dançou em mais de 100 países, aprendeu vários idiomas e trabalhou em grandes companhias de ballet, como a Companhia de Carla Fracci, na Itália. Também trabalhou na Alemanha e na Grécia.

Durante a sua jornada como bailarino, quando sofria alguma lesão, aproveitava os períodos de repouso e dedicava-se as suas atividades de reflexão, que eram a pintura e a escultura.

 

 

Ao final da década de 70 retorna ao Brasil tendo como destino a cidade de Blumenau no estado de Santa Catarina, onde foi convidado pelo Sr. Ingo Hering, a dirigir a Escola de Ballet do Teatro Carlos Gomes. Introduziu novos conceitos e sempre preocupado com a perfeição e a técnica da dança, formou grandes bailarinos. Seus passos alongados, transmitiam ao público uma grande sensação de liberdade.

Também ministrou aulas de ballet na cidade de Joinville, Santa Catarina, onde juntamente com a artista plástica Sra. Albertina Tuma e o professor Carlos Tafur, idealizaram o Festival de Dança de Joinville, que em 2005 foi citado no Livro dos Recordes, no capítulo Festivais e Tradições, como o maior do mundo.

 

 

Dançou profissionalmente até os 40 anos e se despediu dos palcos aos 58, em uma apresentação no Festival de Dança de Joinville. Em 2011, foi nomeado Comendador da Dança, recebendo a Medalha do Mérito Cultural Cruz e Sousa pelos relevantes serviços prestados à cultura do estado de Santa Catarina.

Fonte: site de Pedro Dantas

Confira mais um pouco desse incrível artista, nesse documentário que fala sobre a sua vida.

 

O Blumenauense
Denúncias, problemas ou elogios? Escreva para contato@oblumenauense.com.br

MAIS LIDAS