Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!

Santa Catarina integra projeto Innov – Al para troca de experiências com União Europeia

 

 

 

 

A tecnologia da Informação e comunicação (TIC) aplicada ao agronegócio em Flandres, na região da Bélgica, será tema do Projeto Innov-al 2 que o Governo de Santa Catarina participa por meio da Secretaria de Estado do Desenvolvimento Econômico Sustentável (SDE). O objetivo é acelerar ainda mais a inovação e a competitividade da economia catarinense. A decisão foi tomada nesta quarta-feira (5/08/20), em um workshop on-line que contou com a participação de atores da academia e do setor privado, como Fiesc, SindCarne, Epagri, Centros de Inovação de Caçador, Chapecó e Videira, Acate e Udesc.

O Projeto Innov-Al é uma iniciativa da União Europeia, com financiamento da Direção-Geral da Política Regional e Urbana (DGREGIO), que apoia a disseminação e a troca de experiência e boas práticas das políticas descentralizadas de inovação e de especialização inteligente em nível regional da Europa com o Brasil. “Este projeto está sendo executado por um consórcio de consultorias europeias, sob a liderança da Sociedade Portuguesa de Inovação (SPI). E Santa Catarina vai se beneficiar dessa ação ao estabelecer vínculos importantes de cooperação internacional”, explica Thaís Soares, consultora da empresa.

De acordo com o Diretor de Ciência, Tecnologia e Inovações da SDE, Rafael Meyer, a especialização inteligente é uma metodologia que a comissão europeia está utilizando para poder direcionar a inovação, para setores específicos identificados e que geram maior impacto na região, promovendo o que eles chamam de política de coesão. “Vemos na União Europeia uma grande oportunidade para mostramos os potenciais de Santa Catarina. Acreditamos que o resultado para o estado será o de abrir uma parceria bilateral e tudo que pudermos incluir e usufruir de benefício para nossa economia a partir deste projeto”, destaca o diretor.

Para André Ricardo Poletto, gerente de Empreendimento da secretaria de Estado da Agricultura, Pesca e Desenvolvimento Rural, participar do Innov-Al é uma oportunidade imensa, já que essa metodologia traz inovações na forma de trabalhar, une os atores para a tomada de decisões e prioriza soluções para Santa Catarina. “A agricultura familiar tem uma importância muito grande para o Estado. Porém, sabemos que neste setor a inovação demora um pouco para chegar. Agora, com essa metodologia, estamos buscando o conhecimento de outras regiões e países para trazer a Santa Catarina”, ressalta Poletto.

Nesta nova fase do projeto, além de Santa Catarina, o estado do Ceará também está integrando a missão, tendo como setor de energias renováveis para estudo de caso. A previsão de término desta cooperação é em dezembro de 2020. Na primeira edição do Innov-Al, em 2018, participaram os estados do Paraná, Pernambuco e Pará.

 

Escolha do tema

Para a escolha do tema, a Sociedade Portuguesa de Inovação realizou uma missão ao estado catarinense em setembro de 2019. Na oportunidade, foi desenvolvido o primeiro workshop, com apresentação do projeto, dos fundos europeus de financiamento e do conceito da especialização inteligente. Além disso, também realizaram a análise swot do ecossistema de inovação de Santa Catarina.

Após análise, elencou-se seis áreas econômicas de destaque para possível troca de experiências, sendo elas: metal mecânica e ferramentaria, têxtil, cerâmica, móveis, tecnologia de informação e comunicações e agronegócio. A partir dos workshops e da própria metodologia, o setor escolhido foi o de TIC para agronegócio.

 

Escolha da região

A agregação de valor a matéria-prima, competitividade e uso da tecnologia em equipamentos para o pequeno agricultor foram os pontos cruciais que levaram os diversos atores, da academia ao setor privado, a escolherem a Bélgica para a troca de experiências.

Entre os pontos positivos que levaram a decisão, estão: presença de grandes empresas que possuem o seu setor interno de P&D; implementação de especialização inteligente: transformação econômica da região voltada para a inovação, com forte componente político; domínios identificados: química sustentável, soluções para fábricas, saúde, logística, agroalimentar, smart cities e plataformas gerais de TIC; mais de 40 projetos inovadores aprovados pelo Ministério da Agricultura; entre outros.

Com a região escolhida, a partir de agora a Sociedade Portuguesa de Inovação estabelecerá contato com Flandres, para dar início a troca de experiências.

Fonte: Governo de SC

Denúncias, problemas ou elogios? Escreva para contato@oblumenauense.com.br

Posts relacionados

Top