Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!

Polícia Militar alerta sobre os golpes mais comuns aplicados por criminosos em SC

 

 

 

 

Nos últimos dias divulgamos no portal OBlumenauense, alguns golpes aplicados por criminosos no Vale do Itajaí. Para alertar a população, a Polícia Militar divulgou os mais comuns registrados pela corporação.

Nenhum deles é novo, todos já foram amplamente divulgados pela imprensa, mesmo assim continuam fazendo vítimas em todo o país. Os estelionatários usam da boa-fé de suas vítimas para praticar seus crimes.

Por isso é muito importante que você compartilhe essa lista na sua linha de tempo e chame atenção dos seus familiares e amigos. A maioria das vítimas são pessoas que jamais acreditariam terem caído em golpes como esses.

 

 

BILHETE PREMIADO:

É um golpe antigo. Para simular o bilhete sorteado, o estelionatário faz um jogo na lotérica com os números sorteados, conseguindo o comprovante de aposta de um sorteio que ainda vai ocorrer. Depois ele vai com esse papel em locais de grande circulação de pessoas procurando suas vítima, preferencialmente pessoas idosas ou que estejam saindo de um banco.

A primeira dica é evitar estender uma conversa com pessoas estranhas, principalmente quando dizem estar com um bilhete premiado. É muito importante avisar imediatamente a Polícia Militar (190) para que consiga abordar os estelionatários, uma vez que atuam em vários estados e podem ter mandados de prisão abertos.

 

 

PUBLICIDADE EM LISTA TELEFÔNICA:

O estelionatário liga para algumas empresas e oferece gratuitamente o serviço de propaganda em algum site de listas de telefones, alegando ser uma página muito acessada na internet. Leia atentamente o que receber, e se desconfiar de algo, não assine. Caso tenha caído nesse golpe, procure um advogado de sua confiança para orientações cíveis e registre o fato na Delegacia de Polícia Civil.

 

TORPEDO PREMIADO:

Também é um daqueles golpes que já está no museu da malandragem. Tudo começa quando a vítima recebe um SMS, geralmente de um número de celular de outro estado, informando que foi contemplada num sorteio. Ao entrar em contato, a vítima é colocada numa suposta central de atendimento que solicita depósitos e encargos.

 

Foto: Ricardo Wolffenbüttel [Secom]

FALSO SEQUESTRO:

O golpe é aplicado usando informações passadas pela própria vítima no momento de desespero. O estelionatário liga aleatoriamente para telefones, dizendo que está com um parente da vítima, exige dinheiro para o resgate e faz ameaças. Normalmente, pessoas ao fundo imitam agressões e gritos.

Se aproveitando do pânico causado, os golpistas convencem a vítima a não desligar o telefone e depositar dinheiro em várias contas, por meio de caixas de atendimento bancários. Eles mantêm a vítima em pânico, sem tempo para que possa raciocinar sobre o fato.

Por isso nunca forneça seus dados por telefone e invente um nome quando o estelionatário dizer que tem um parente seu sequestrado. Por precaução, ligue para o suposto parente. Causar terror na vítima com ameaças de morte faz parte do jogo para conseguirem roubar seu dinheiro.

 

 

FALSO BOLETO:

Por meio de cavalo de troia, ou outro malware (vírus de computador), o estelionatário tem acesso aos dados do computador da vítima. Após efetuar negociação pela internet e receber um boleto do verdadeiro fornecedor, ela também recebe um segundo e-mail, contendo um boleto com desconto. Porém, esse boleto não pertence à compra da vítima, mas a uma compra do estelionatário em um site de vendas.

Mantenha o antivírus do seu computador atualizado, e se receber e-mails nesta situação, entre em contato diretamente com o fornecedor para qualquer esclarecimento.

 

 

FALSO PROBLEMA MECÂNICO EM VEÍCULOS:

A vítima recebe uma ligação de um suposto parente, dizendo que está em uma oficina com o veículo quebrado. Ele alega ter esquecido a carteira em casa e pede que deposite uma quantia na conta do falso mecânico, prometendo devolver depois.

 

 

SITES DE COMPRAS OU EMPRÉSTIMOS PESSOAIS:

A vítima procura em sites de pesquisas algum produto ou empréstimo pelo preço mais vantajoso, mas não se cerca de toda a precaução possível confirmar o negócio. No caso do empréstimo, o estelionatário exige vários depósitos de dinheiro para pagamentos de taxas.

No caso das compras, é emitido um boleto que contém o código de barras de uma compra realizada pelo próprio estelionatário, e não a compra da vítima. Após o pagamento do boleto, geralmente o site é deletado.

 

 

ENVELOPE VAZIO:

Por meio de sites comuns de vendas de objetos ou de veículos, o estelionatário inicia contatos com a vítima e apresenta uma proposta de compra. Após isso, o estelionatário vai até a cidade da vítima e pede para alguém depositar um envelope vazio ou contendo um cheque furtado, roubado ou sustado. A vítima faz a transferência do veículo, sem verificar a compensação do título.

 

 

PHISHING (PESCA E FRAUDE ELETRÔNICA):

Tentativas de adquirir dados pessoais (senhas, dados financeiros, etc.). o fraudador se passa por uma pessoa, empresa ou uma pessoa pública confiável e envia um e-mail/SMS contendo um link que dá acesso a uma página falsa ou para instalação de um malware.

 

TESTE DA MÁQUINA DE CARTÃO OU RECARGA:

A vítima recebe a ligação de alguém se passando por funcionário de uma empresa responsável por máquinas de recarga, dizendo que precisa fazer uma atualização do equipamento. Com códigos passados pelo estelionatário, o atendente habilita a máquina para recargas de celular. Após isso, diz que irá fazer uns testes e irá resetar o aparelho. Os testes são, na verdade, recargas para vários celulares.

 

Arte: OBlumenauense

 

FALSO COMPRADOR EM SITES DE ANÚNCIO OU REDES SOCIAIS:

O estelionatário busca nos principais sites de anúncios ou nas redes sociais objetos de seu interesse e inicia contato com a vítima se mostrando muito interessado no produto. As negociações ocorrem em aplicativos de mensagens e nunca de forma pessoal, com o estelionatário se passando por outra pessoa (geralmente uma vítima anterior que forneceu fotos de seus dados bancários e identidade). Fechada a negociação, ele envia uma TED (depósito bancário) falsificada para a vítima ou um comprovante de depósito efetuado em caixa eletrônico (envelope vazio).

Em seguida informa que um parente ou amigo irá buscar o objeto, sendo que na verdade se trata de um freteiro contratado pelo estelionatário e que não sabe da armação. A característica deste fato é a velocidade entre o pagamento e a busca do objeto, além da pressão imposta para que a vítima entregue o objeto rapidamente. Nos casos em que a vítima descobre o golpe, o estelionatário começa a efetuar ameaças para que a vítima encaminhe o objeto.

Por isso jamais forneça fotos de seus documentos ou cartões bancários, para que o suposto comprador efetue o pagamento. Essas informações serão usadas pelo suspeito no golpe com a próxima vítima. Desconfie se toda a negociação ocorrer pelo aplicativo e o estelionatário não quiser ver o produto antes de comprar. Confira a TED ou o comprovante de depósito em sua agência bancária e não entregue o objeto antes do desbloqueio dos valores e de receber definitivamente o dinheiro.

 

Imagem de Conger Design [Pixabay]

ENVIO DE NUDES:

O estelionatário se passa por uma formosa mulher nas redes sociais e envia um vídeo ou fotos de “nudes”, solicitando que a vítima também faça isso. De posse das fotos e vídeos das vítimas, os criminosos informam que vão enviar os materiais aos amigos e parentes das vítimas, solicitando quantias em dinheiro para não fazer a divulgação.

 

HISTÓRIA DE AMOR:

O estelionatário se passa por um militar de alguma força estrangeira, ganhando a confiança e a admiração da vítima com o passar do tempo. As conversações ocorrem geralmente por aplicativos de mensagens de redes sociais. De posse da confiança da vítima, solicita dinheiro para efetuar a viagem ao Brasil e conhecer a mesma pessoalmente.

 

CLONAGEM DE WHATSAPP:

Essa modalidade de fraude ocorre geralmente após a vítima anunciar algo em um sites de venda, no qual é publicado o celular da vítima. O estelionatário se passa por um atendente do site, e alegando questões de segurança, solicita que a vítima informe o código que será enviado por SMS.

Ocorre que o código informado pertence ao aplicativo WhatsApp e de posse dele, o estelionatário consegue habilitar o celular com os dados e informações da vítima, passando a solicitar valores aos contatos salvos.

Leia com atenção os SMS recebido e habilite em seu celular a verificação em duas etapas. Entre no aplicativo e siga os itens da seguinte forma: WhatsApp > Item > Configurações > Conta > Confirmação em Duas Etapas.

 

 

ORIENTAÇÕES GERAIS:

  • Nunca passe qualquer dado pessoal por telefone;
  • No golpe do falso sequestro, não diga o nome de seu parente ou familiar;
  • Não ligue para o número do SMS premiado e desconfie de ligações recebidas em modo restrito ou de outras áreas;
  • Caso supostos parentes lhe peçam dinheiro, ligue para o número correto dos membros para confirmar;
  • Consulte páginas específicas ou o Procon para encontrar sites confiáveis de compras online.
  • Esteja atento às dicas desta cartilha. Caso algum golpe se assemelhe, procure pelas autoridades responsáveis. Você também pode repassar este material para que mais pessoas tenham acesso e se mantenham informadas sobre os crimes de estelionato e extorsão.

 

Grupo Telegram
Grupo WhatsApp

Denúncias, problemas ou elogios? Escreva para contato@oblumenauense.com.br

Posts relacionados

Top