quarta-feira, 1 dezembro 2021
InícioGeralNem toda tontura está relacionada à labirintite

Nem toda tontura está relacionada à labirintite

tontura

A análise de um especialista é a melhor forma de distinguir o problema

Tontura é uma expressão utilizada frequentemente para designar dois sintomas distintos: impressão de que você pode desmaiar e vertigem. O médico otorrinolaringologista e diretor da Clínica de Otorrinolaringologia de Blumenau (Cliob), Ruysdael Zocoli, diz que vertigem é a sensação de que você está girando ou se movendo, ou de que o mundo está girando ao seu redor.

“A vertigem, muitas vezes, pode estar relacionada a uma sensação de estar girando, o que ocorre ao mover a cabeça. Também pode estar ligada à labirintite, uma infecção do ouvido, ou à Síndrome de Ménière, um problema comum do ouvido interno”.

O que acontece, segundo o médico é que, ao sentir tontura, grande parte das pessoas logo relacionam o sintoma com a labirintite. A doença normalmente ocorre após uma infecção no ouvido, após uma alergia ou uso de determinados medicamentos que são perigosos para o ouvido interno.

Porém, nem sempre a tontura está relacionada à labirintite. Ruysdael comenta que é preciso verificar a causa para saber se trata-se realmente de labirintite. Segundo ele, a tontura pode resultar ou não de condições do ouvido interno e a chave para diagnosticar corretamente é diferenciar o histórico da vertigem da sensação de desequilíbrio generalizado ou pré-síncope.

O especialista esclarece que desequilíbrio é o sentido de sentir falta de equilíbrio físico sem qualquer sensação real de movimento. Pré-síncope, segundo ele, é a sensação de sentir-se tonto, também em geral sem qualquer sensação de movimento, e frequentemente acompanhada por um sentido de perda de consciência iminente. “Esses sintomas são geralmente indicativos de hipoperfusão cerebral e, em pessoas expressando essas queixas, é importante verificar o histórico cardíaco anterior”, explica.

Ele acrescenta que existem sintomas associados à tontura, como náuseas, ansiedade e sintomas neurológicos.

Embora não seja considerada, no geral, como uma doença do envelhecimento, a incidência de tontura aumenta com o avanço da idade. “Até 65 anos de idade, 30% das pessoas terão vivenciado episódios de tontura e, até 80 anos de idade, cerca de 70% das mulheres e 30% dos homens terão apresentado episódios de vertigem. Crianças raramente são levadas a atendimento médico devido à tontura, mas quando isso ocorre, geralmente, pensa-se que seja relacionada à enxaqueca”, explica.

De acordo com o médico, a tontura é comum entre as pessoas e é preciso da análise de um especialista para que ele possa identificar qual é o tipo de problema, pois existem tipos diferentes de tontura.

Texto: Josiane Caitano 

O Blumenauense
Denúncias, problemas ou elogios? Escreva para contato@oblumenauense.com.br

MAIS LIDAS