quarta-feira, 20 outubro 2021
InícioEconomiaJuros para famílias subiram em janeiro

Juros para famílias subiram em janeiro

Informações foram divulgadas nesta quinta (25) pelo Banco Central.

As famílias pagaram taxas de juros mais altas em janeiro. A informação foi divulgada nesta quinta-feira (25/02/21) pelo Banco Central (BC), de acordo com as Estatísticas Monetárias e de Crédito. A taxa média de juros para famílias no crédito livre chegou a 39,4% ao ano.

Segundo o relatório o aumento foi, em parte, influenciado pelo crédito pessoal não consignado. O índice teve alta de 10,9% no mês. Os juros do crédito consignado caíram 0,3%. A taxa do cheque especial chegou a 119,6% ao ano em janeiro, resultando em um aumento de 4% em relação a dezembro de 2020.

Os juros médios do rotativo do cartão de crédito também foram fatores que influenciaram a alta do crédito para as famílias. A taxa chegou a 329,3% ao ano, com alta de 1,5% em janeiro. No caso do rotativo regular (quando o cliente paga pelo menos o valor mínimo da fatura) a taxa chegou a 311,7% ao ano, um aumento de 9,8%. Já a taxa do rotativo não regular (dos clientes que não pagaram ou atrasaram o pagamento mínimo da fatura) caiu 5,5% em relação ao mês anterior e chegou a 342,2% ao ano.

O rotativo é o crédito tomado pelo consumidor quando paga menos que o valor integral da fatura do cartão. O crédito rotativo dura 30 dias. Após esse prazo, as instituições financeiras parcelam a dívida. Nesse caso, no cartão parcelado, a alta foi de 12,6 %, com a taxa de juros ficando em 161,5% ao ano. De maneira geral, segundo o chefe do Departamento de Estatísticas do BC, Fernando Rocha, a alta dos juros também ocorreu em razão do aumento das taxas pelos bancos.

Inadimplência e saldo

A inadimplência (considerados atrasos acima de 90 dias) das famílias, no crédito livre, caiu 0,1%, indo para 4,1%, informou o Banco Central. Em janeiro, o estoque de todos os empréstimos concedidos pelos bancos ficou em R$ 4,020 trilhões, estável em relação a dezembro e com expansão de 16% em 12 meses. Esse saldo do crédito correspondeu a 54,1% de tudo o que o país produz – o Produto Interno Bruto (PIB).

Via Agência Brasil

MAIS LIDAS