terça-feira, 19 outubro 2021
InícioEventosExposição de miniesculturas expõem a fragilidade das crianças no MAB, em Blumenau

Exposição de miniesculturas expõem a fragilidade das crianças no MAB, em Blumenau

 

 

 

“Sacré Coeur de Marie” é um conjunto de 309 miniesculturas em mixed media – técnica que engloba no mesmo objeto diferentes instrumentos e materiais, tornando a sua produção artística mais lúdica e original. Esta novidade de Maria do Carmo Verdi é uma das atrações da 5ª Temporada de Exposições do Museu de Arte de Blumenau (MAB), que começa nesta quinta-feira, dia 7 de novembro, às 19h, na Secretaria Municipal de Cultura (SMC). A noite terá a tradicional conversa com artistas, lançamento de livros, declamação de poesia e música. A entrada é franca.

 

 

Inicialmente fruto de uma reflexão sobre a vulnerabilidade da criança no mundo contemporâneo, durante os meses de execução da obra “Sacré Coeur de Marie”, o motivo inicial foi se desdobrando em novos vetores. A artista compreendeu que a condição de perigo absoluto vivenciada por milhares de crianças no mundo é parte de um grande e complexo sistema onde estão intrinsicamente relacionadas questões relativas ao ambiente, às minorias, mas sobretudo às várias dimensões da desigualdade. A figura da criança tornou-se uma alegoria para vulnerabilidades sociais e planetárias.

Cada uma das miniesculturas apresenta uma narrativa ou um ‘pequeno poema’ que, combinados uns aos outros, compõem um discurso único, embora fragmentado, estranho e particular. A caixa de acrílico vermelha em forma de coração é a base de sustentação física de todas as esculturas. É uma imagem muito popular e de rápida empatia e foi essa comunicação direta que levou ao título da obra.

 

 

As peças estarão distribuídas no espaço expositivo de modo a permitir que o espectador discorra entre elas, sem o rigor sequencial de um texto literário, mas obedecendo aos apelos plásticos e simbólicos da obra. Um segundo elemento fundamental para as composições são os bebês, menino e menina (mini bonecas), que estão presentes em muitos dos trabalhos e falam diretamente sobre o motivo inicial da pesquisa.

Durante os oito meses em que esteve envolvida na construção desse trabalho (novembro de 2018 a julho de 2019), a artista garimpou objetos em lojas populares, lojas de beira de estrada, aeroportos, camelôs e bancas de revistas do centro de São Paulo e também em outras cidades como Nova Iorque e cidade do México. Buscou, também, pela casa e pelo atelier objetos guardados e quase esquecidos, antigas bijuterias, qualquer coisa que apresentasse alguma consonância ‘formal/plástica’ ou de ‘sentido’ ou ambas, com a obra em desenvolvimento. Assim, objetos como pequenos animais, plantas, brinquedos, tecidos entre muitos outros materializam as múltiplas narrativas. Tecnicamente é uma obra híbrida entre pintura e escultura, pois após a assemblage de objetos, pintou com tintas pva, acrílica e spray, detalhadamente cada escultura, afim de acentuar a percepção de conjunto, ou seja, de uma única obra composta por 309 partes.

 

 

Sobre a artista

Artista gaúcha radicada em São Paulo, Maria do Carmo Verdi (1958) nasceu em Caxias do Sul. É pós-graduada em Produções Simbólicas pela Universidade de Caxias do Sul, graduada em Artes Plásticas pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), atuou como professora do Departamento de Artes da Universidade de Caxias do Sul e posteriormente ministrou cursos no ambiente da arte têxtil em São Paulo. Sua produção artística envolve desenho, pintura, escultura, objetos e instalações. Vem participando de exposições no país e no Exterior

Seu trabalho transita entre pintura, escultura, relevo e objeto. Sua pesquisa envolve uma reflexão sobre o espaço, tempo e lugar de um corpo consumível, descartável e submetido às conveniências do poder econômico e desrespeitado na sua subjetividade. Atenta ao complexo sistema onde estão intrinsicamente relacionadas questões relativas ao meio ambiente, às minorias mas,  sobretudo, às várias dimensões da desigualdade.

Saiba mais

Abertura da 5ª Temporada de Exposições no MAB
Quando: quinta-feira, 7 de novembro

Horários:

19h: conversa com os artistas expositores
20h: abertura da 5ª Temporada de Exposições do MAB, lançamento de livros, declamação de poemas, apresentação de documentário e show musical
Visitas: até 16 de fevereiro, de terça-feira a domingo, das 10h às 16h. Visitas mediadas podem ser marcadas pelo telefone 3381-6176
Classificação indicativa de idade: Livre
Entrada franca

As exposições:

Domingo, de João Paulo (Curitiba/PR)
Sempre Viva, de Nathan Braga (Rio de Janeiro/RJ)
Redesenhando a paisagem, de Cláudia Lyrio (Rio de Janeiro/RJ)
Orifícios, de Patrícia Pontes (São Paulo/SP)
Sacré Coeur de Marie, de Maria do Carmo Verdi (São Paulo/SP)
Gravuras do acervo do MAB: obras de Abelardo Zaluar, Doraci Girrulat, Elke Hering, Juarez Machado, Maria Bonomi, Renina Katz e Roy Kellermann

Lançamentos de livros

Arte, Estética, Educação – uma perspectiva tridimensional e mural cerâmico: marco de superação pela arte, de Roseli Moreira
Culinária Alemã do Vale do Itajaí – A Hora do Lanche, de Artur Ellinger e Hellamari Hohl
Águas Passadas Movem Moinhos, de Henrique Pagnoncelli

Por Sérgio Antonello [SECOM/BNU]

 

O Blumenauense
Denúncias, problemas ou elogios? Escreva para contato@oblumenauense.com.br

MAIS LIDAS