Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!

Embarcação naufragada há 100 anos é encontrada em Mafra (SC), devido a estiagem

 

 

 

 

Na quinta-feira passada (28/05/20), um barco naufragado apareceu no rio Negro, devido à estiagem,  em Mafra, no norte de Santa Catarina. O Centro de Paleontologia da Universidade do Contestado (Cenpaleo), foi ao local realizar estudos acerca da descoberta.

Os pesquisadores acreditam que a embarcação naufragou há 100 anos na localidade de General Brito, numa época em que a região ainda era navegável. Ela pode ter sido utilizada para transportar madeira ou erva mate.

 

 

A equipe alcançou o naufrágio de bote ou atravessando o rio a pé, devido a baixa profundidade. O que encontraram denominaram de lancha, e quando estavam mais perto puderam observar mais detalhes, e inclusive retirar pinhos que foram levados pela correnteza.

 

 

O morador aposentado do local, Benedito Carlins, foi quem avistou a embarcação e logo avisou ao Prof. Ms Sandro Moreira sobre a descoberta. Benedito relatou que moradores antigos diziam ser comum observar uma lancha que transportava madeira pelo local. O professor lembrou sobre a utilização das lanchas, no início do século XX, pela madeireira Lumber para o transporte de madeiras.

O extrativismo da madeira foi realizada amplamente no começo do século passado e faz parte da história da cidade, pois, devido a essas atividades adquiriu autonomia econômica, e após a Guerra do Contestado (1912 – 1916), Mafra conseguiu se tornar cidade em 1917 no lado catarinense e, no lado paranaense tivemos a cidade de Rio Negro.

A expedição realizada no local, contou com uma equipe composta por vereadores, representantes das secretarias de Cultura e Turismo de Mafra, cientistas do Cenpaleo e um historiador convidado.

Os pesquisadores constataram que a embarcação se encontra em situação precária e por isso não poderá ser retirada do local. Segundo o historiador Sandro Moreira a descoberta será catalogada e sua localização identificada para estudos futuros.

 

Posts relacionados

Top