domingo, 28 novembro 2021
InícioClimaDia seco em SC: saiba como se proteger da umidade baixa.

Dia seco em SC: saiba como se proteger da umidade baixa.

tempo-secoEsta terça-feira, dia 5, está com tempo estável, céu claro e ar muito seco, além de frio. Os valores de umidade relativa do ar, abaixo de 10%, podem ser comparados ao do deserto de Atacama no Chile por exemplo.

Em Urupema no Planalto Sul de SC, a umidade atingiu um dos valores mais baixos do Brasil no ano, cerca de 10%. Estes valores muito baixos aliado ao frio intenso deixa a sensação de grande desconforto no ser humano, especialmente os que sofrem de doenças do trato respiratório, como rinites, bronquites, asmas dentre outras.

A região centro oeste do país normalmente registram os menores valores de umidade relativa do ar, como as cidades de Goiânia e Brasília. Para que se possa entender de forma simples, a umidade relativa do ar é o quanto de vapor d’água existe na atmosfera no momento, em relação ao total máximo que poderia existir antes de condensar.

A umidade do ar é muito baixa normalmente no final do outono, durante o inverno e início da primavera, especialmente entre às 12h e 16h. A umidade é mais elevada quando chove, devido à evaporação que ocorre posteriormente. Também é alta em áreas com verde abundante, próximas a rios, represas e outras concentrações de água.

Menor Umidade Relativa registrada até às 13h em 05/08/2014.

Alto Vale do Itajaí

  • Lontras 53.1%
  • Witmarsum 54%

Litoral Norte e Médio Vale

  • Botuverá 55.1%
  • Camboriú 48.0%

Grande Florianópolis

  • Alfredo Wagner 49.8%
  • Florianópolis 37.8%
  • São José 50%

Planalto Norte

  • Canoinhas 44.5%
  • Itaiópolis 55.2%
  • Major Vieira 48.8%
  • Santa Cecília 20.1%

Planalto Sul

  • Painel 29.6%
  • Bom Jardim da Serra 22.8%
  • Rio Rufino 35.2%
  • São Joaquim 14.8%
  • Urupema 10.4%

Oeste

  • Dionísio Cerqueira 14.0%
  • Novo Horizonte 26.0%
  • Xanxerê 38.0%

Meio Oeste e Vale do Rio do Peixe

  • Arroio Trinta 31.3%
  • Caçador 31.2%
  • Lebon Régis 29.8%

Litoral Sul

  • Siderópolis 47.3%
  • Criciúma 42.6%
  • Meleiro 51.3%
  • Urussanga 39.0%
Fonte: Estações meteorológicas automáticas monitoradas pela Epagri/Ciram e INMET. Dado sujeito à correção.

 Confira abaixo os níveis de alerta relacionados à baixa umidade do ar e algumas dicas para se proteger.

Problemas decorrentes da baixa umidade do ar:

  • Complicações alérgicas e respiratórias devido ao ressecamento de mucosas;
  • Sangramento pelo nariz;
  • Ressecamento da pele e do cabelos/pelos;
  • Irritação dos olhos;
  • Eletricidade estática nas pessoas e em equipamentos eletrônicos;
  • Aumento do potencial de incêndios em pastagens, lavouras, plantações e florestas.

Escala psicrométrica – classificação dos estados de perigo segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS):

Cuidados a serem tomados:

Entre 21 e 30% – Estado de Atenção

  • Evitar exercícios físicos ao ar livre entre 11h e 15h;
  • Umidificar o ambiente através de vaporizadores, toalhas molhadas, recipientes com água, molhamento de jardins, etc.;
  • Sempre que possível permanecer em locais protegidos do sol, em áreas vegetadas, etc.;
  • Consumir água à vontade.

Entre 12 e 20% – Estado de Alerta

  • Observar as recomendações do estado de atenção;
  • Suprimir exercícios físicos e trabalhos ao ar livre entre 10h e 16h;
  • Evitar aglomerações em ambientes fechados;
  • Usar soro fisiológico para olhos e narinas.

Abaixo de 12% – Estado de Emergência

  • Observar as recomendações para os estados de atenção e de alerta;
  • Determinar a interrupção de qualquer atividade ao ar livre entre 10h e 16h, como aulas de educação física, coleta de lixo, entrega de correspondência, etc.;
  • Determinar a suspensão de atividades que exijam aglomerações de pessoas em recintos fechados, como aulas, cinemas, etc. entre 10h e 16h;
  • Durante as tardes, manter com umidade os ambientes internos, principalmente quarto de crianças, hospitais, etc.

Texto e dados: Marcelo Martins – Meteorologista | Mariana Liberato – Técnica em Meteorologia

via Epagri/Ciram

O Blumenauense
Denúncias, problemas ou elogios? Escreva para contato@oblumenauense.com.br

MAIS LIDAS