sábado, 25 setembro 2021
InícioEventosCerca de 200 haitianos participaram da entrega dos uniformes descaracterizados da PRF

Cerca de 200 haitianos participaram da entrega dos uniformes descaracterizados da PRF

 

 

 

Imagens: PRF/SC

Por volta das 17 horas deste sábado (5/05/19), cerca de 200 haitianos receberam a doação de 600 uniformes que não eram mais usados por policiais rodoviários federais. As peças de roupa foram limpas, descaracterizadas e tingidas.

 

 

A iniciativa teve a parceria do Curso de Moda do Senai, do Instituto Federal de Santa Catarina (IFSC) e da Pastoral dos Migrantes. O evento aconteceu na Associação dos Brahaitianos Unidos, localizada na Rua Dr. Luiz de Freitas Melro, 193, no bairro Jardim Blumenau, em Blumenau.

Este é um projeto social que tem o objetivo de proteger pessoas em situação de vulnerabilidade de crimes como exploração sexual, trabalho escravo e tráfico de pessoas, além de conscientizar pessoas e empresas acerca da responsabilidade social.

Descaracterização dos uniformes

A Faculdade SENAI de Blumenau, por meio do curso de graduação em Design de Moda, está realizando a descaracterização dos uniformes da PRF, recolhidos pela Campanha Desapego. Segundo Michele Cavalheiro Nunes, coordenadora do curso, “o objetivo da ação é mostrar que é possível trazer os conceitos de responsabilidade social das empresas e promover o reaproveitamento de recursos visando a sustentabilidade.” O processo termina com o tingimento e finalização das peças pela Lavanderia Unilav de Brusque.

Apoio aos haitianos

O Câmpus de Gaspar do IFSC, que já tem experiência e realiza ações com grupos de haitianos no Vale do Itajaí, oferece cursos de qualificação profissional de Português e Cultura Brasileira para estrangeiros desde 2016, e conta com mais de 270 estudantes haitianos matriculados, articulou o recebimento destes uniformes customizados. “Esses estudantes, em sua grande maioria, estão em situação de vulnerabilidade, a qual é derivada de questões como barreiras linguísticas e culturais, mas também por conta da inserção no mundo do trabalho e o acesso a políticas públicas”, contextualiza Ana Paula Kuczmynda da Silveira, Diretora Geral do Câmpus.

Para o Padre Marcos Bubniack, articulador regional do Serviço Pastoral dos Migrantes de Santa Catarina, o trabalho com imigrantes e refugiados é uma tarefa diária e por isso “a ação conjunta fortalece a rede de apoio a pessoas em risco de vulnerabilidade social.”

 

O Blumenauense
Denúncias, problemas ou elogios? Escreva para contato@oblumenauense.com.br

MAIS LIDAS