Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!

“Se liberam bares, shoppings e parques em Blumenau; porque não as escolas e creches?”

 

 

 

 

Por Claus Jensen, com cobertura de Josiane Longhi [OBlumenauense]

Uma manifestação por volta das 9h30 deste sábado (26/09/20), conseguiu reunir em menos de 4 dias, mais de 300 pessoas na Praça Victor Konder, em frente da prefeitura de Blumenau. Participaram desde pais, educadores, crianças e até mesmo diretores ou proprietários da rede de ensino privada. A colaboradora Josiane Longhi fez a cobertura da manifestação.

Os manifestantes pedem o retorno das aulas presenciais no município, uma decisão que somente pode ser tomada pela Secretaria de Educação de Santa Catarina. A diretora pedagógica da Escola de Educação Infantil Spazio Bambini, Cintia Taice Oneda Petris, disse que a manifestação tem como intuito defender o retorno das aulas para as famílias que necessitam e contam com a escola como grupo de apoio. Ela comentou que as crianças estão sofrendo emocionalmente com a falta da rotina e convívio escolar.

Uma das organizadoras da manifestação, Maria Tereza Peters, diz que está indignada com a inversão de valores do governo, que liberou os bares há mais de dois meses, além de parques, shoppings, mas não as escolas e creches. “Onde estão nossas crianças enquanto os pais estão trabalhando? Eu, meu marido, minha mãe e pai, todos trabalhamos fora. Minha sogra está doente e não tem a mínima condição de cuidar de meus filhos que tem 3 e 5 anos. Quando decidimos ter uma família, contamos que em meio período ou integral, teremos o apoio das escolas ou creches na educação dessas crianças enquanto estamos trabalhando. Nós planejamos a vida dessa forma. Não temos como fazer a parte pedagógica dentro de casa”, disse a mãe de dois filhos.

 

Maria Tereza Peters, uma das organizadoras da manifestação.

 

Os pais comentam que as crianças estão extremamente depressivas e cansadas. “Meu filho chora todos os dias, diz que está entediado e cansado, não aguenta mais. Infelizmente no horário que ficava com eles, eu preciso trabalhar. Meu salário não está garantido no final do mês. Sem ele não consigo pagar moradia, alimentação e saúde para os meus filhos. Apesar dos dois estarem bem, um deles faz fisioterapia por conta de hiperatividade da bexiga, por causa do estresse e ansiedade. Enquanto isso os shoppings e parques estão cheios, inclusive com a presença de crianças. Claro, com o distanciamento, com álcool em gel, e todos os cuidados. Mas a gente não vê escolas abertas”, disse Maria.

 

 

Ela diz que já foi comprovado em outros países que as crianças não são vetores de contágio da Covi-19. A organizadora pede que pelo menos as escolas privadas tenham autorização para abrir, porque muitas já estão fechando e as professoras perdendo seus empregos. “Em Blumenau já fecharam mais de 10 escolas de educação infantil. Elas não têm subsídios do governo para se manterem. O pagamento dos salários dos professores vai até onde as escolas tiverem dinheiro para pagar”, comentou.

Não há outra manifestação programada até o fim das eleições, até porque muitos políticos não podem estar presentes em função da legislação eleitoral. Mesmo assim serão espalhados outdoors, para lembrar a todos que educação é essencial.

Os protocolos de higiene estarão sendo seguidos, assim como o distanciamento e todas as normas estabelecidas. “Nós pedimos que a prefeitura, os candidatos à eleição, olhem para escolas e as crianças que estão sofrendo psicologicamente”, finaliza em tom de apelo. No mesmo dia da manifestação divulgamos uma matéria que fala sobre o retorno das aulas presenciais em Blumenau. Clique aqui para acessar.

 

 

 

 

Grupo Telegram
Grupo WhatsApp

Trabalho com publicidade há mais de 29 anos, fiz teatro durante 8, apresentei programa de televisão outros 5 e sou blogueiro desde 2007. Mas minha maior paixão é a família, e claro, essa fascinante Blumenau.

Posts relacionados

Top