quinta-feira, 27 janeiro 2022
InícioGeralProjeto criminaliza uso de dinheiro público em projeto artístico que promova sexualização...

Projeto criminaliza uso de dinheiro público em projeto artístico que promova sexualização de crianças

Tramita na Câmara o Projeto de Lei 9000/17, do deputado Onyx Lorenzoni (DEM-RS), que criminaliza o uso de recursos públicos para a realização de projetos artísticos que promovam a sexualização precoce de crianças e adolescentes ou façam apologia a crimes ou atividades criminosas.

O projeto acrescenta artigo à Lei Rouanet (8.313/91). Pelo texto, o crime será punível com reclusão de dois a cinco anos, multa equivalente ao dobro do valor do projeto e inabilitação por 10 anos para obter os benefícios da lei. No caso de empresa, responderá pelo crime o acionista controlador e os administradores.

Segundo o texto, responderão igualmente, com as mesmas penas, os doadores, beneficiários e os agentes públicos envolvidos na redução fiscal, tomada ou liberação de recursos para a realização dos projetos proibidos.

Lorenzoni justifica a apresentação da proposta por dois fatos ocorridos no ano passado: a exposição “Queermuseu – Cartografias da Diferença na Arte Brasileira,”, realizada no Centro Cultural Santander, em Porto Alegre (RS); e performance do coreógrafo Wagner Schwartz no Museu de Arte Moderna (MAM), de São Paulo (SP).

 

Obra da artista Bia Leite na exposição Queermuseu, em Porto Alegre (RS) – Facebook / Reprodução

 

Polêmicas

A primeira exposição, encerrada antes do prazo previsto pelo Santander devido à polêmica que provocou nas redes sociais, abordava a temática LGBT, questões de gênero e de diversidade sexual.

Para o deputado, “a mostra de arte fazia clara apologia à pedofilia e mostras de bestialismo (sexo com animais), além das mais diversas práticas sexuais, em uma abordagem incompatível com a faixa etária e o desenvolvimento emocional de crianças e adolescentes que foram levados aos espaços de visitação”.

O Santander foi acusado de censura nas redes sociais pelo fechamento precoce da exposição.

Já no segundo caso, o MAM foi palco de uma atuação performática de Schwartz inspirada na série de esculturas Bichos, da artista Lygia Clark. Na performance, o artista carioca se apresentou nu junto de uma réplica de uma dessas esculturas e “permitiu a articulação das diferentes partes do seu corpo através de suas dobradiças”.

Na ocasião, o museu foi acusado de pedofilia após a divulgação de vídeos que apresentavam a interação de uma criança com o artista nu. Para Lorenzoni, a menina foi “incentivada, mesmo ante seu evidente constrangimento, a participar da interação com o artista, tocando partes do seu corpo”.

O MAM rebateu as críticas afirmando que a obra não possui conteúdo erótico e que a sala de realização estava sinalizada sobre o teor da apresentação. O museu disse ainda que a criança do vídeo estava acompanhada pela mãe.

Tramitação

O projeto será analisado pelas comissões de Cultura e de Constituição e Justiça e de Cidadania. Em seguida, será votada pelo Plenário.

Agência Câmara Notícias

O Blumenauense
Denúncias, problemas ou elogios? Escreva para contato@oblumenauense.com.br

MAIS LIDAS