terça-feira, 7 dezembro 2021
InícioEstadualPolícia Civil prende quadrilha de caixeiros no Sul do Estado

Polícia Civil prende quadrilha de caixeiros no Sul do Estado

A Polícia Civil do Sul do Estado, coordenada pela Divisão de Investigação Criminal (DIC) de Criciúma, prendeu cinco homens – de 21, 23, 28, 30, e 31 anos – integrantes de uma quadrilha que estava tentando arrombar um caixa eletrônico de um banco no centro de Ermo, na madrugada desta quinta-feira, 14. Eles são investigados por 15 explosões a caixas eletrônicos de agências bancárias, que vinham ocorrendo nos últimos meses na região Sul de Santa Catarina.

Foto: Polícia Civil
Foto: Polícia Civil

Com o grupo, foram apreendidas uma espingarda de calibre 12, uma pistola calibre .380 e três revólveres, além de material explosivo, rádio comunicadores, veículos, munições e vários outros objetos. Eles responderão pelos crimes de formação de quadrilha armada, roubo qualificado, furto qualificado, receptação, porte ilegal de arma de fogo de uso restrito com numeração destruída, posse de material explosivo e tentativa de homicídio contra os agentes da Polícia Civil – visto que houve troca de tiros entre os criminosos e os policiais. Se condenados, os envolvidos podem pegar até 50 anos de prisão.

Quatro caixeiros ficaram feridos e foram encaminhados para o Hospital Regional de Araranguá. Atualmente, apenas um segue hospitalizado.

A ação

Após levantamento de informações pela DIC de Criciúma de que esta quadrilha especializada de caixeiros iria agir na região, foi montada uma operação policial para flagrar e impedir a ação dos criminosos. Vinte e cinco agentes da Autoridade Policial e cinco delegados dividiram-se em equipes formadas e revezaram-se durante 12 dias de campanas em diversas cidades do sul do Estado. Quatro equipes foram montadas nas cidades de Meleiros, Morro Grande, Turvo e Ermo, composta pelos agentes da DIC de Criciúma e Araranguá comandada pelos delegados Jorge Giraldi, Jair Pereira Duarte, Ulisses Gabriel, André Milanese e Juarez de Medeiros.

A quadrilha chegou à agência bancária de Ermo, por volta das 1h30min, estaciou o veículo GM/Cruze, placas MJJ7997, roubado em Morro da Fumaça, rendeu o vigilante e roubou o dinheiro dele. Quando preparavam-se para explodir a agência do banco, houve investida policial com troca de tiros. A quadrilha fugiu em direção à localidade de Sapiranga com o GM/Cruze com quatro dos caixeiros feridos.

No trajeto, eles ingressaram numa propriedade rural e abandonaram o veículo nos fundos de um galpão, renderam uma família de agricultores que relutaram em abrir a porta da casa, ocasião em que os criminosos dispararam com a espingarda de calibre 12 e destruíram a porta de vidro da residência. Nesta casa, o grupo roubou uma caminhonete de placas MLT3827 e retornaram pela estrada marginal Rio Araranguá, em direção a Ermo, quando foram interceptados pelos agentes de Polícia Civil.

Após a prisão em flagrante dos envolvidos e apreensão do armamento e demais objetos, os feridos foram encaminhados ao Hospital Regional de Araranguá.

Na sequência, os policiais se deslocaram até a cidade de Jaguaruna e, num apartamento locado pelos caixeiros, encontraram um carregador municiado com cartuchos calibre .380. Já em Criciúma, no bairro São Defende, na casa do de um dos suspeitos foi aprendida uma espingarda calibre 12 e uma Winchester.

Um técnico em explosivos foi até a DIC de Araranguá e desarmou o artefato explosivo que seria utilizado na agência de Ermo. A Polícia segue investigando, pois acredita que tenham mais envolvidos, inclusive menores.

Na tarde desta quinta-feira, na DIC de Araranguá, foi realizada uma coletiva de imprensa que contou com a participação do delegado regional de Criciúma, Jorge Koch; delegado da DIC de Criciúma, André Milanese; Jorge Giraldi e Jair Pereira, ambos da DIC de Araranguá; delegado-coordenador da 1ª Delegacia de Araranguá, Diego Archer de Haro; e diretor de Polícia da Grande Florianópolis, delegado Juarez de Souza Medeiros – que está em Criciúma comandando a força-tarefa do Governo do Estado.

Fonte: Polícia Civil

O Blumenauense
Denúncias, problemas ou elogios? Escreva para contato@oblumenauense.com.br

MAIS LIDAS