sexta-feira, 3 dezembro 2021
InícioEconomiaO mercado nacional não pode ser esquecido

O mercado nacional não pode ser esquecido

Francis Fachini: oportunidade e planejamento podem andar juntos | Imagem: Actonove Fashion Photography
Francis Fachini: oportunidade e planejamento podem andar juntos | Imagem: Actonove Fashion Photography

Texto: Marina Melz

Especializada em moda infantil, a Fakini Malhas, de Pomerode (SC), se deixou levar pela alta do dólar em 2003 e passou por maus momentos com a queda do valor da moeda em 2004. Para executivo da empresa, cuidar dos clientes no Brasil é essencial.

Não importa qual é o setor ou o mercado que uma empresa atue. Neste cenário que parece desfavorável à economia brasileira, há quase uma unanimidade no discurso favorável à exportação. Indústrias que nunca trabalharam antes com o mercado internacional agora focam seus esforços nas vendas para o exterior.

Embora, à primeira vista, estas companhias estejam apenas direcionando seus negócios para onde a rentabilidade é maior, muitas vezes elas estão deixando de averiguar os riscos deste novo foco. Quem alerta é o diretor comercial da Fakini Malhas, Francis Giorgio Fachini. O executivo viu a empresa entrar em apuros quando, em 2004, depois de valer quase o triplo, o dólar começou a registrar constantes quedas.

“Decidimos focar nas vendas para outros países por uma conta simples: recebíamos em dólares, pagávamos em reais. Com a moeda americana acima dos R$ 3,00, a rentabilidade por alguns meses foi excelente e fomos apostando cada vez mais na exportação”, diz. O que o time de executivos da Fakini não esperava é que, em agosto de 2004, a economia nacional reagisse e levasse a uma quase equiparação dos valores das duas moedas.

De acordo com Francis, a empresa teve que fazer um esforço árduo para reconquistar os lojistas brasileiros e recuperar seu espaço no ponto de venda. “Focamos em reativar o relacionamento, entender o que eles queriam e colocar a nossa estrutura à disposição dos nossos clientes com agilidade e entrega”, acrescenta.

Para aqueles que estão voltando todos os seus esforços para a exportação, Francis adverte: aproveitar oportunidades com planejamento é possível. “Muitas vezes nossa primeira reação é querer mudar o foco para o melhor rendimento o mais rápido possível, mas com um pouco de calma e estratégias melhor desenhadas, esse resultados com certeza serão melhores a longo prazo”, finaliza.

Em 2015, um dos objetivos da Fakini é conquistar novos públicos no exterior. Porém, diferente de 10 anos atrás, agora a companhia sabe que o seu grande mercado é o Brasil, e trabalha com o mercado externo de maneira pontual e estratégica.

O Blumenauense
Denúncias, problemas ou elogios? Escreva para contato@oblumenauense.com.br

MAIS LIDAS