terça-feira, 19 janeiro 2021
- Propaganda -
Início Vale do Itajaí Brusque Mais uma cidade do Vale do Itajaí adota cloroquina como tratamento para...
- Propaganda -

Mais uma cidade do Vale do Itajaí adota cloroquina como tratamento para Covid-19

06:24

 

 

 

 

A Secretaria de Saúde de Brusque incluiu Cloroquina no protocolo de tratamento para Covid-19. O medicamento já foi comprado e o Poder Público aguarda a entrega pelo fornecedor. Uma quantidade menor chegará na cidade pelo Ministério da Saúde.

Em um primeiro momento, o novo protocolo é destinado a pacientes idosos, obesos, hipertensos e diabéticos, que são grupos prioritários, que têm tido um desfecho mais grave da doença – com internação e eventualmente óbito.

Desde 23 de março, a Prefeitura mantém o Centro de Triagem para Sintomáticos Respiratórios, montado no pavilhão da Fenarreco. Os pacientes acolhidos no local, que é exclusivo para pessoas que apresentam sintomas como febre, tosse, dor de cabeça ou falta de ar, recebem medicação de acordo com a sintomatologia apresentada. O protocolo inclui anti-inflamatório, analgésico, antibiótico e corticoide.

Com o advento da Cloroquina na regional e no estado vamos acrescentá-la ao protocolo municipal. Trata-se de um medicamento bastante controverso, que não tem uma eficácia 100% comprovada contra o Coronavírus. Talvez funcione para alguns, talvez não funcione.Mas talvez seja um alento para as pessoas que vamos considerar como prioritárias para o tratamento, que são as pessoas que sabidamente têm um risco maior de adoecer pelo Coronavírus e vão ser contempladas com essa droga”, explica o médico infectologista, Ricardo Freitas.

De acordo com ele, para a prescrição da Cloroquina serão realizados exames prévios. “Temos um protocolo prévio para saber se a pessoa tem condições de usar o remédio ou não. Em princípio um eletro, talvez exame de sangue, mas precisa ser algo muito ágil porque não podemos perder tempo em prescrever ou não o remédio”, ressalta.

Segundo o infectologista, o protocolo pode ser alterado conforme novos estudos forem realizados. “Se daqui um tempo surgir evidências de que outra droga possa funcionar melhor certamente vamos adaptar o protocolo de acordo com os estudos que vão sendo feitos. Hoje não temos nada concreto sobre eficácia de medicamento. São tentativas e protocolos de estudos em outros locais, que colocamos em prática aqui”, esclarece.

Sobre o medicamento Ivermectina, Freitas explica que não recomenda a inclusão nos protocolos do município. “Não recomendo este medicamento no protocolo, pois não consta em bula a eficácia dele para essa doença. Seria muito leviano do Poder Público gastar dinheiro público com esse medicamento neste momento. Poderia ter implicações futuras, porque não há evidências de que o remédio funcione. Fica a critério do médico prescrever para quem ele achar necessário. Se a Anvisa colocar em bula que o remédio funciona para Covid, há a possibilidade do Poder Público adquirir. Neste momento não”, destaca.

Sobre a Cloroquina, o médico comenta que também não consta em bula sua eficácia para Covid-19, mas existe um protocolo do Ministério da Saúde que autoriza o uso desta droga. “Ou seja, do ponto de vista jurídico é seguro para o Poder Público utilizar”, completa.

O infectologista também alerta a população sobre a automedicação. “É algo muito complicado. As pessoas misturam remédios, chás naturais e podem ter um evento adverso. Já tive paciente que tomou duas, três vezes a mesma vacina, porque achava que aumentava a eficácia e foi parar na UTI”, conta.

Fonte: Prefeitura de Brusque

- Propaganda -  
 
 
 
 

MAIS LIDAS

Vídeo: rio Itajaí-Açu passa dos 5 metros e ameaça carro estacionado no Centro de Blumenau

Com isso chega ao nível de atenção. Desde a zero hora até às 13h desta quinta-feira (17/12) o volume de água dobrou.

Jovem de 25 anos morre afogado no rio Encano, em Indaial (SC)

Os Bombeiros Voluntários foram acionados às 16h19 desta sexta-feira (25/12) e chegaram a levá-lo ao hospital, mas ele não resistiu.

Mais de 10 corpos foram resgatados sem vida na tragédia de Presidente Getúlio (SC)

Um deles é de uma criança com idade entre 4 e 5 anos. As vítimas estavam entre escombros após serem levadas pela correnteza durante a enxurrada.

Portaria fixa novas regras para pagamento de pensões por morte

Medida define os períodos de término do benefício de acordo com a idade.