Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!

Justiça determina exoneração de servidores que ocupam cargos comissionados em Blumenau

 

 

 

Foto: Marcelo Martins

 

A Justiça determinou que sejam exonerados servidores públicos que ocupam os cargos comissionados de consultoria jurídica, assessoria jurídica e representação processual, funções estas exclusivas de profissionais de carreira, mediante concurso público. De acordo com ação civil pública ajuizada pelo Ministério Público, a Prefeitura de Blumenau, Câmara Municipal, Fundação de Meio Ambiente, autarquia de trânsito, autarquia de água e esgoto e o instituto de seguridade social do servidor criaram indevidamente os cargos comissionados.

Em medida liminar, deferida em setembro de 2016, o juízo da 1ª Vara da Fazenda, Acidentes de Trabalho e Registro Público havia determinado que a Administração Pública Municipal direta e indireta promovesse a exoneração dos agentes ocupantes dos cargos, sob pena de multa diária de R$ 1,5 mil em caso de descumprimento. Da decisão foi interposto agravo de instrumento, com a concessão de efeito suspensivo quanto a determinação de exoneração. Da mesma forma, o instituto de seguridade social, a autarquia de trânsito, a fundação do meio ambiente e a autarquia de água e esgoto promoveram a exoneração determinada. Já o Município e a Câmara de Vereadores contestaram alegando a legalidade dos cargos.

Em decisão prolatada na última quinta-feira (28/5/20), o juiz substituto Rodrigo Francisco Cozer julgou procedente o pedido formulado pelo MP para exonerar os ocupantes dos cargos em comissão na Fundação do Meio Ambiente, o cargo de provimento em comissão de Assessor Jurídico; na autarquia de água e esgoto, o cargo de provimento em comissão de Assessor Jurídico; na autarquia de trânsito, o cargo de Assessor Jurídico; no instituto de seguridade social do servidor, o cargo de provimento em comissão de Assessor Jurídico; no Poder Legislativo de Blumenau, os cargos de Consultor Jurídico, inclusive a servidora que estava em estabilidade provisória gestacional à época da liminar ante o fim de tal estabilidade.

“É preciso que esteja evidenciando que o nomeado desenvolverá funções de natureza política no seio administrativo em que o requisito da confiança justifique a liberdade de provimento que caracteriza a instabilidade do comissionado. As funções técnicas, burocráticas ou permanentes devem ficar a cargo de provimentos efetivos por concurso público”, cita o juiz em sua decisão.

O magistrado declarou ainda a legalidade dos cargos de Diretor de Contencioso Judicial e Diretor de Licitações, Contratos e Convênios da Procuradoria-Geral do Município, de Diretor Jurídico da fundação de meio ambiente e de Diretor-Jurídico da autarquia de trânsito e do cargo de Diretor Jurídico da autarquia de Água e Esgoto; e declarou ilegal o cargo de Assessor Jurídico do instituto de seguridade do servidor devendo exonerar a pessoa ocupante de tal cargo. Da decisão, cabe recurso ao Tribunal de Justiça.

As informações foram divulgadas pela assessoria de imprensa do Tribunal de Justiça de Santa Catarina.

comentários

Denúncias, problemas ou elogios? Escreva para contato@oblumenauense.com.br

Posts relacionados

*

*

Top