segunda-feira, 18 outubro 2021
InícioGeralHá 23 anos os Assadores do Bem garantem o bom churrasco na...

Há 23 anos os Assadores do Bem garantem o bom churrasco na Festa do Divino

 

Texto: Claus Jensen | Fotos e entrevista: Alcione Alvim da Silva

Muitas pessoas vão para a festa da catedral de São Paulo Apóstolo, pelo cheirinho do churrasco. O de igreja, sempre parece ser diferente. Na festa do Divino que aconteceu neste final de semana, Sebastião Heidmann faz parte do grupo Assadores do Bem, que comandam esse trabalho, desde a compra da carne até entregar para quem vai saboreá-lo. No total, são 22 assadores que tem a estimativa de terem vendido e servido quatro mil churrascos no sábado e domingo.

 

 

Alcione Alvim da Silva, nosso colaborador, conversou com ele na tarde deste domingo (4/6/17). Já são 23 anos envolvido nesse trabalho, que além da catedral, é feito também na igreja Nossa Senhora Aparecida no bairro Itoupava Norte, Rotary e CVV (Centro de Valorização da Vida).

O trabalho já inicia às 7h da manhã, quando são assados cerca de mil churrascos, que serão vendidos para quem deseja levá-los para casa. “Ele não precisa ser bem passado como a maioria das pessoas gostam. Quando chega ao ápice, entre 12h e 12h30min, uma grande quantidade de churrascos é feita e servida logo após ser assada”, comenta Sebastião. Segundo Alcione, durante o almoço, a equipe de som pede para quem já almoçou, ceder lugar na mesa para que outros possam fazer a sua refeição. O evento é um local de encontro de famílias e amigos, e muitas pessoas ocupam o lugar para uma boa conversa.

 

 

A carne é comprada na JK, uma grande distribuidora, que cria o gado, envia para o abate, é desossado no Mato Grosso e vem para Blumenau toda cortada. “Nós escolhemos peça por peça, às vezes nos enganamos e pegamos uma menor. Dois dias antes já começamos a preparar toda carne. No contra-filé tem um nervinho que cortamos, para que fique expansivo e bonito, sem rugas” diz Sebastião.

Aquele conceito de que churrasco de igreja é diferente, não é lenda e sim tradição. Nesses 23 anos eles não mudaram o jeito de fazer o tempero da carne que é o grande diferencial no sabor. Ela é preparada e armazenada em uma bombona branca com capacidade para 200 churrascos temperados. Os ingredientes levam vinagre, limão, sal, mostarda escura, água e cebola.

A fila nos horários de pico sempre é grande, e segundo Sebastião não parou entre às 10h e 16h. Mas sempre anda, não fica parada. É o resultado da experiência no preparo da iguaria, levando em conta os períodos de grande demanda.

 

O Blumenauense
Denúncias, problemas ou elogios? Escreva para contato@oblumenauense.com.br

MAIS LIDAS