segunda-feira, 6 dezembro 2021
InícioGeralFundação Catarinense de Cultura investe em microscópio eletrônico para análise de materiais...

Fundação Catarinense de Cultura investe em microscópio eletrônico para análise de materiais em restauração

Foto: Márcio Henrique Martins / FCC
Foto: Márcio Henrique Martins / FCC

O Ateliê de Conservação e Restauração de Bens Culturais Móveis (Atecor), vinculado à Diretoria de Preservação do Patrimônio Cultural da Fundação Catarinense de Cultura (FCC), ganhou um novo aliado na tarefa de preservar e restaurar obras de valor histórico para Santa Catarina: um microscópio eletrônico de varredura com analisador de raio-x.

A tecnologia holandesa é capaz de ampliar em até 100 mil vezes a imagem das amostras de obras e esculturas de arte, facilitando a identificação dos elementos e morfologia dos materiais e proporcionando resultados mais precisos e confiáveis do que com o método clássico de análise por reação química.

“É nosso dever zelar pela preservação de obras importantes para a história e cultura catarinense e este investimento vem a somar nesta busca por excelência em nossos serviços de conservação e restauração”, comenta a presidente da FCC, Maria Teresinha Debatin. O laboratório do Atecor é pioneiro em Santa Catarina em pesquisas relacionadas à química aplicada à conservação de bens culturais.

“O microscópio Phenom Pro-X de bancada irá auxiliar as demandas de análises de rotina solicitadas pelos conservadores-restauradores do Atecor, ajudará a propor medidas mais seguras nos processos de intervenção em determinados tipos de materiais e, quando possível, na datação de obras pelo tipo de material encontrado na amostra”, explica o químico responsável pelo Ateliê, Thiago Guimarães da Costa.

Um dos projetos que ganhará impulso com a aquisição do equipamento é o que a FCC realiza em parceria com a Universidade Federal de Santa Catarina em busca da autoria de obras datadas do século XIX que fazem parte do acervo do Museu Histórico de Santa Catarina (saiba mais). A compra do microscópio representou um investimento de R$ 270 mil em recursos da FCC.

Fonte: Fundação Catarinense de Cultura

O Blumenauense
Denúncias, problemas ou elogios? Escreva para contato@oblumenauense.com.br

MAIS LIDAS