segunda-feira, 18 outubro 2021
InícioEconomiaFMI: Brasil volta ao posto de 8ª maior economia em 2017

FMI: Brasil volta ao posto de 8ª maior economia em 2017

Diretora do Fundo Monetário Internacional, Christine Lagarde | Foto: IMF Photo

 

Depois de ter perdido posições no ranking das maiores economias, o Brasil deve voltar a avançar nesse quadro. Previsões do Fundo Monetário Internacional (FMI) colocam o País como o oitavo a partir de 2017, ultrapassando a Itália.

Os dados foram divulgados pelo organismo internacional durante sua reunião anual, que teve início nessa terça-feira (4/10/16) e conta com a presença de importantes líderes globais, ministros de Fazenda e presidentes de Banco Central.

Em 2015, depois da recessão que teve início um ano antes, o País caiu para a nona colocação, posto que o Brasil ainda ocupa neste ano. Esse cenário, no entanto, começou a mudar depois de medidas adotadas pelo governo, o que levou o FMI a revisar projeções.

A expectativa, agora, é de que o País permaneça nessa posição até 2021, que é até quando o FMI consegue fazer previsões. No relatório que acompanha esses números, o fundo afirma que o Brasil ainda enfrenta desafios, mas que as perspectivas melhoraram em comparação a abril – data da última previsão feita.

A avaliação do organismo internacional é de que a incerteza política perdeu força no Brasil e que a recessão está mais moderada. O FMI ponderou, no entanto, que há uma necessidade de impulsionar a confiança e os investimentos.

PEC 241

O FMI considerou que seria um sinal de empenho político adotar a proposta que limita a expansão dos gastos públicos e estabelecer um coerente quadro de consolidação fiscal.

O Fundo também argumenta que para elevar os investimentos é necessários três fatores: simplificar a tributação, reduzir barreiras de comércio e combater as deficiências de infraestrutura para reduzir o custo de fazer negócios no País.

 

Fonte: Portal Brasil, com informações do FMI

O Blumenauense
Denúncias, problemas ou elogios? Escreva para contato@oblumenauense.com.br

MAIS LIDAS