Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!

Floração dos ipês volta a espalhar suas cores pela paisagem de Blumenau

 

 

 

 

Por Claus Jensen, com fotos de Luiz Carlos Zimmermann e Simone Kertischka Zimmerman

Amarelos, roxos, cor de rosa ou brancos, os ipês voltaram a colorir nossa paisagem com a chegada da primavera. Um colírio que por pouco tempo contrasta com o cinza dos prédios e do concreto.

A árvore que inspirou o conceito de Cidade Jardim, só começou a ser citada entre as décadas de 1960 e 1970, quando também aparece em alguns cartões postais do município. Todo esse colorido anuncia a Oktoberfest e vira uma atração turística registrada pelas câmeras.

Esse símbolo da beleza de Blumenau também virou rótulo de cerveja. O nome ipê origina-se da língua tupi e significa casca dura. O mesmo também é conhecido como pau d’arco, porque antigamente os índios utilizavam a madeira dessas árvores para fazerem os seus arcos de caça e defesa.

 

 

A madeira é densa e forte, difícil de serrar e com grande durabilidade mesmo quando em condições favoráveis ao apodrecimento. Essa alta resistência aos parasitas e à umidade, fez com que fosse usada em construções de pontes, vigas, portas, pisos, escadas, móveis, peças e até na fabricação de instrumentos musicais.

As flores delicadas, quando vistas de longe no chão, lembram um balde de tinta que alguém derrubou na calçada. Nosso colaborador Luiz Carlos Zimmermann admirou essa beleza da sacada do apartamento e decidiu passear por várias ruas capturando esse espetáculo da natureza. Ele conseguiu até flagrar um pequeno beija-flor em pleno almoço.

 

 

Junto com a esposa Simone Kertischka Zimmermann, o casal foi registrando várias imagens neste domingo (27/09/20). Eles seguiram pelas ruas General Osório, João Pessoa, Bruno Hering (Morro da Cia Hering) e 7 de Setembro. Depois clicaram fotos pelas avenidas Duque de Caxias (Rua das Palmeiras), Beira Rio (Pres. Castelo Branco) e Martin Luther. A partir daí acessaram a Rua Carlos Rischbieter, passaram pela Ponte do Tamarindo, seguindo pelas ruas São Paulo, Coronel Federsen, Bahia, Ricardo Paul, José Deeke, Benjamin Constant e depois deram ainda um pulo até o parque Ramiro Ruediger.

O resultado você confere abaixo, sem ordem de ruas:

 

 

Grupo Telegram
Grupo WhatsApp
Tags ,

Trabalho com publicidade há mais de 29 anos, fiz teatro durante 8, apresentei programa de televisão outros 5 e sou blogueiro desde 2007. Mas minha maior paixão é a família, e claro, essa fascinante Blumenau.

Posts relacionados

Top