quarta-feira, 20 outubro 2021
InícioEsporteFestival de Handebol reúne atletas da terceira idade em Itajaí

Festival de Handebol reúne atletas da terceira idade em Itajaí

 

Por Anderson Silva e fotos de Marcos Porto | SECOM/Itajaí

O Festival de Handebol da Terceira Idade de Itajaí terminou nesta sexta-feira (27/01/17), no Ginásio Gabriel João Collares. A disputa, destinada a atletas com mais de 60 anos, reuniu cerca de 150 participantes de Itajaí, Balneário Camboriú, Navegantes e Santana do Parnaíba (SP).

A competição realizada pela Associação de Esportes Adaptados da Terceira Idade de Itajaí (AEATI) tem o apoio do Município de Itajaí, por meio da Fundação Municipal de Esportes.

 

 

Segundo os organizadores, diferente de um torneio o festival premiou todos os participantes com medalhas e após o encerramento foram definidas as equipes destaque da competição ao invés das campeãs.

Na categoria Master, (50 a 59 anos), destaque para a equipe feminina AEATI de Itajaí e no masculino para o time de Navegantes. Na Sênior (60 a 69 anos), a equipe paulista de Santana do Parnaíba foi destaque em ambos os naipes. Já a categoria Bisa (acima de 70 anos), só teve jogos no feminino e o destaque também ficou com a equipe anfitriã.

Atleta mais idosa da competição, a descendente de japoneses, Tomiko Sato, de 80 anos, defende a equipe de Itajaí. Paranaense de Cornélio Procópio, depois de morar mais de uma década no Japão se encantou por Santa Catarina e adotou Itajaí para morar. Há 15 anos pratica handebol adaptado no município e exalta a qualidade de vida proporcionada através do esporte.

“Com 60 anos eu tinha recomendação médica para não fazer mais atividades físicas. Depois que comecei a praticar essa e outras modalidades não tomo nenhum tipo de remédio e vou prolongando a minha vida de maneira saudável e feliz”.

Maurina de Melo, de 79 anos, foi uma das primeiras atletas da modalidade no município e também ressalta os benefícios da prática esportiva na terceira idade. “Sou viúva, só ficava em casa muito desanimada e ansiosa, há 17 anos comecei a jogar e não parei mais. Deixei os problemas de lado, passei a me divertir e ter muito mais qualidade de vida”, finaliza.

 

O Blumenauense
Denúncias, problemas ou elogios? Escreva para contato@oblumenauense.com.br

MAIS LIDAS