quarta-feira, 20 outubro 2021
InícioClimaEpagri/Ciram aprimora ferramenta de previsão de geada para Santa Catarina

Epagri/Ciram aprimora ferramenta de previsão de geada para Santa Catarina

Objetivo é auxiliar os agricultores catarinenses a minimizar os prejuízos causados nas lavouras.

Segundo o Epagri/Ciram, Santa Catarina conta com a mais completa previsão de geada do Brasil. O site do órgão estadual informa de forma antecipada a possibilidade de ocorrer o fenômeno nos próximos cinco dias através de três mapas que apontam probabilidades média, máxima e mínima de ocorrência.

O produto continua sendo o único do país a oferecer a previsão do fenômeno para três intensidades: geada, geada moderada a forte e geada forte. A previsão de geada para cinco dias atende demanda dos agricultores catarinenses, que, assim, podem se programar melhor para minimizar prejuízos causados nas lavouras.

Ângelo Massignam, gerente da Epagri/Ciram, explica que a geada é um fenômeno importante para a agricultura catarinense, pois sua janela de ocorrência determina os prazos ideais de plantio das principais culturas agrícolas. Além disso, por sua localização geográfica e relevo, Santa Catarina é bastante suscetível à ocorrência.

A ferramenta indica que deve ocorrer geada em Santa Catarina nesta quinta-feira (13), especialmente no Planalto Sul. A partir da sexta-feira (14), a previsão de geada se mantém nos modelos da Epagri/Ciram, perdendo força, mas ainda com indicação de ocorrência, até o domingo (16).

Funcionalidades

Além de ter mais funcionalidades, a nova previsão de geada do site da Epagri/Ciram está mais precisa. Carlos Eduardo Salles de Araújo, pesquisador responsável pela ferramenta, explica que a atual modelagem tem maior resolução, fornecendo uma informação diferente a cada 9 km². O modelo antigo fornecia uma informação de possibilidade de ocorrência de geada a cada 225 km².

No caso de Santa Catarina, essa grade mais detalhada é fundamental por causa do relevo extremamente acidentado do Estado, o que pode provocar uma grande variação de altitude em uma área de 225 km². Como a altitude é fator fundamental para ocorrência de geada, ter uma única informação de previsão em uma área tão grande pode gerar probabilidades distorcidas, o que é minimizado na área de 9 km².

Outra evolução importante é o uso de oito modelos numéricos para a confecção da previsão de geada da Epagri/Ciram. Na versão antiga, era um único modelo. Carlos Eduardo explica que o cruzamento de todas essas informações confere mais assertividade ao produto final, ou seja, a margem de erro da previsão diminui muito, principalmente para os três primeiros dias.

A modelagem numérica procura repetir, em conceitos teóricos da matemática e da física, o comportamento da atmosfera. “Acontece que a natureza é caótica”, explica o pesquisador da Epagri/Ciram. Por isso, a opção de expor três mapas na ferramenta. Para uma consulta rápida, o usuário pode olhar apenas o mapa da probabilidade média. As outras duas imagens indicam uma faixa de probabilidades. “Por exemplo, o usuário deve observar um valor no mapa de probabilidade mínima e um valor no mapa de probabilidade máxima para a mesma localidade geográfica. Se os valores observados foram 50 e 60 respectivamente, significa que a chance de ocorrer geada para a classe e data selecionada ficará entre 50% e 60% na localidade de interesse”, detalha Carlos Eduardo.

Minimizar perdas

Massignam explica que uma geada que aconteça muito cedo ou muito tarde durante o ano pode afetar de maneiras diferentes as diversas culturas agrícolas do Estado. “O feijão é muito suscetível, já o milho resiste um pouco mais”, exemplifica. Por isso, produto da Epagri/Ciram traz um guia do usuário que, entre outras informações, enumera as principais medidas que podem ser adotadas para minimizar perdas: o ensacamento de frutos e a antecipação da colheita no caso da banana; a aplicação de irrigação, de fumaça e de aminoácidos para a fruticultura; o atraso no transplante de mudas para o maracujá e a cobertura de mudas com lonas ou palha na produção de hortaliças.

O projeto de aprimoramento da ferramenta segue até o segundo semestre do ano que vem. Até lá, serão implementadas melhorias para aumentar ainda mais a precisão da previsão de geada. Para o usuário, o produto continuará o mesmo, mas haverá uma evolução na qualidade da informação oferecida. Por isso, o pesquisador Carlos Araújo lembra que é muito importante que agricultores e técnicos ofereçam um feedback do uso pelo e-mail kadu_araujo@epagri.sc.gov.br. A partir dessas observações, alterações podem ser feitas para contemplar ainda mais os interesses dos usuários.

Fonte: Governo de SC

O Blumenauense
Denúncias, problemas ou elogios? Escreva para contato@oblumenauense.com.br

MAIS LIDAS