quarta-feira, 8 dezembro 2021
InícioGeralEmpresário blumenauense sofre ameaça depois de denunciar placas de propaganda política em...

Empresário blumenauense sofre ameaça depois de denunciar placas de propaganda política em calçadas e praças

Emil-Chatourni
Foto: Luciano Bernz

O empresário e ex-presidente do Sindicato dos Hotéis Restaurantes Bares e Similares de Blumenau, Emil Chartouni, o jornalista Giovani Vitória e um grupo de amigos, iniciaram uma campanha nas redes sociais, se manifestando contrários à utilização de placas de propaganda eleitoral, os chamados cavaletes, em cima de calçadas e praças.

O assunto pegou no Facebook, com a adesão de muitas pessoas que manifestaram a mesma opinião. No último sábado (13/09), foi expedido um ofício pelos chefes das zonas eleitorais, proibindo o uso destas placas. O grupo comemorou. Mas, para Emil Chartouni trouxe algo a mais.

Na segunda-feira (15) ele recebeu uma ligação anônima no celular, em tom de ameaça, alertando para tomar cuidado com o que ele posta nas redes sociais. Nós conversamos com o empresário sobre a campanha que empreendeu no Facebook e sobre a ameaça que sofreu.

OBlumenauense: O que lhe incentivou a começar esse movimento?

Emil Chartouni: O que me levou a iniciar este grande movimento, junto com um grupo de amigos, foi a indignação das pessoas com relação às placas em cima de calçadas, canteiros e praças. Em primeiro lugar, poluindo o visual da nossa cidade. Em segundo, muitas vezes estragando os nossos canteiros, flores e praças. Sempre dizemos que Blumenau é a Cidade Jardim, mas isso não condiz com aquilo que estávamos vendo naquele momento.

Outro item importante, é o que podemos esperar desses que no momento são apenas candidatos, e já não cumprem uma determinação judicial. Vimos o ofício expedido pelo TRE de Blumenau, que determina ser irregular a utilização dessas placas em locais públicos, como por exemplo canteiros. Se já fazem isso como candidatos, imagine depois de eleitos. O que poderemos esperar deles?

Foi isso que nos fez criar esse grande grupo, eu não fiz nada sozinho. Nós iniciamos esse manifesto, que graças a Deus, deu certo. O TRE entendeu que estávamos com a razão, aliás, não somente nós, mas a grande maioria da população estava indignada. Isto surtiu efeito, tanto que hoje vimos uma redução significativa no número de placas na cidade. Ainda não foi cem por cento. Infelizmente ainda temos alguns candidatos que não estão cumprindo esta determinação judicial.

OBlumenauense: Durante o movimento, tiveram comentários se posicionando a favor das placas?

Emil Chartouni:  Sim, teve. Até nos surpreendeu porque eu recebi algumas mensagens de pessoas apoiando o uso das placas, dizendo que aquilo era democracia. Tem um cidadão que é proprietário de uma rede de lojas, com unidade em Blumenau, que tem um baita cavalete na porta da sua loja atrapalhando o trânsito de pedestres. E teve outro cidadão que disse que ele pode, porque paga impostos e gera emprego. Agora, não é porque ele paga impostos e gera emprego que pode descumprir uma determinação judicial. Mas as pessoas que apoiam as placas, foram uma minoria. É lamentável saber que ainda tem pessoas que defendam a contra mão da legislação.

OBlumenauense: Você divulgou o ofício expedido pelo TRE e depois sofreu ameaças. Como isso aconteceu?

Emil Chartouni:  Eu recebi o ofício pelo meu Facebook e junto com um grupo de amigos divulgamos. Ontem, segunda-feira (15), no período da manhã, eu recebi uma ligação não identificada. Não posso citar nomes, nem dizer quem foi, pois a chamada não era identificada.
Essa pessoa, primeiramente me xingou de tudo um pouco. Só não me chamou de santo, e disse o seguinte: toma cuidado com o que você posta.

Até então, eu não havia entendido e perguntei o que eu postei. A pessoa então concluiu: “com relação às placas malandro. Fica ligado, cuida com que tu posta porque isso pode não te fazer bem”. Essas foram as palavras da pessoa. Mas naquele momento, eu ainda achei que fosse brincadeira de algum amigo querendo me sacanear ou me dar um susto como brincadeira. Eu então perguntei: Mas não pode me fazer bem, como?

E ele respondeu: “Tu sabes de que estamos falando, isso pode não te fazer bem”. Aí eu senti que não era brincadeira e falei: “Tudo bem, então primeiro vocês parem de fazer o que estão fazendo que eu paro de postar”. Neste momento desliguei o telefone na cara do cidadão. Claro que em certo momento fiquei preocupado, afinal tenho família, uma filha pequena e comércio.

Então tive um certo receio, mas depois vi que não era gente séria, porque se fosse não ligava com chamada não identificada. Uma pessoa séria se identificaria e diria: “Olha, não é bem assim, vamos conversar”. Este receio depois que falei com o cidadão, se deve ao fato que isso é coisa feita por pessoas que não tem escrúpulo algum. Pessoas que realmente não merecem estar no meio da sociedade. Afinal que democracia é essa, em que não temos o direito de nos expressar?
OBlumenauense: Vocês acreditam que essas placas prejudicam o turismo?

Emil Chartouni: Com relação ao turismo, esse período eleitoral é muito nocivo. Isto é um grande problema, não só em Blumenau, mas em nível nacional. Mas falando da nossa realidade local, eu digo que é prejudicial.

Primeiramente porque o turista chega à cidade e quer bater foto da Catedral, do Museu da Família Colonial, da Vila Germânica ou Rua da Palmeiras. Mas em todo e qualquer lugar que vá, tem estampada a cara de um candidato. Eu quero deixar bem claro que não sou contra nenhum candidato. Acho que todos tem o direito de concorrer a qualquer cargo político, mas sempre respeitando a população e o turista que vem à nossa cidade.

O próprio blumenauense, por incrível que pareça, também gosta de bater fotos dos nossos pontos turísticos. Coisa que eu achava até alguns anos atrás, que só o turista fazia. Então isso também desagrada as pessoas que gostam de fotografar nossa cidade.

Luciano Bernz
Responsável por toda a cobertura externa de OBlumenauense, sou nascido e criado em Blumenau. Trabalho há 25 anos com vendas, tendo passagem pela Rádio Blumenau e Rádio Clube de Itajaí, onde além de contato comercial, também fiz cobertura de festas e eventos.

MAIS LIDAS