quarta-feira, 28 julho 2021
InícioEconomiaEmpresário blumenauense investiu nos negócios da família e apostou no e-commerce

Empresário blumenauense investiu nos negócios da família e apostou no e-commerce

Passa anel

Uma loja virtual com cerca de 600 acessórios disponíveis e com lançamento de 25 novos produtos toda semana, como pulseiras, colares, brincos e anéis. Este é o portal blumenauense Passa Anel que atende clientes de todo o país. Nos Estados de Minas Gerais, São Paulo, Rio de Janeiro e Paraná estão os grandes consumidores dos acessórios da empresa. Criado em maio deste ano, o portal conquista um aumento de 40% a 50% no faturamento mensal e atende as expectativas de uma família de origem armênia que entrou de cabeça no ramo das bijuterias e conquistou o mercado. Nos primeiros seis meses a empresa cresceu 150% em relação ao número de peças oferecidas no catálogo virtual.

Os empresários Vinicius Boudakian Bressiani e Marcos Boudakian aliaram a experiência de três gerações dedicadas ao ramo das bijuterias em uma nova visão de mercado: vendas na internet. Hoje o negócio conta com uma equipe de 10 profissionais divididos em Santa Catarina e São Paulo. Além do portal, existe uma loja física de varejo na capital paulista  como projeto piloto para avaliar o mercado e criar um modelo aplicável em todo o Brasil. “Estamos muito felizes com os resultados dos primeiros meses. O número de pedidos não para de crescer e muitas mulheres já compraram pela terceira vez. Já somamos mais de 40 mil fãs no Facebook em praticamente cinco meses de existência da marca. Temos recebido feed back positivo de muitas clientes. Elas registram frequentemente que a qualidade das peças superou suas expectativas, o que nos deixa muito felizes já que a satisfação das nossas consumidoras é meta primordial da nossa equipe”, comenta Vinicius.

História da família

O avô de Vinícius e pai de Marcos, Antranik Boudakian, chegou ao Brasil em 1930 vindo da Armênia e desembarcou no Rio de Janeiro. Por volta de 1942 abriu uma loja de armarinho onde tudo era vendido por 2 mil réis, a exemplo das famosas lojas de “R$ 1,99” de hoje. Ele também foi o primeiro a ter uma fábrica nacional de pérolas sintéticas e mais tarde entrou no meio atacadista de bijuterias. Em 1985, ao lado da irmã, Pérola, Marcos chegou a ter outras 7 lojas de atacado espalhadas por  São Paulo. Atualmente a família continua no ramo dos acessórios com lojas de atacado, mas aposta na força da internet para levar as peças aos quatro cantos do país.

 Oficina das palavras | Camila Tibes

O Blumenauense
Denúncias, problemas ou elogios? Escreva para contato@oblumenauense.com.br

MAIS LIDAS