Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!

Confira o vídeo do que falaram os policiais e promotor sobre a operação Meia Conta da GAECO

Por Claus Jensen, com imagens de Marlise Cardoso Jensen

Tudo começou com uma fraude de energia em Chapecó. Quando iniciaram as investigações, ninguém imaginava a dimensão do esquema envolvendo fraudes de energia elétrica. Esses foram os primeiros passos da operação Meia Conta, desencadeada pelo GAECO,  Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado.

Ao descobrirem que os autores das fraudes eram do Vale do Itajaí, os policiais tiveram certeza de que tratava-se de uma organização criminosa. A investigação demorou três meses, e na quinta-feira (7/12/17), foram cumpridos quatro mandados de prisão, um mandado de condução coercitiva, além de 17 mandados de busca e apreensão. Só faltava ouvir uma pessoa que tinha sido presa em flagrante delito.

Ao todo, foram identificadas 35 empresas no Oeste e Vale do Itajaí, mas a Gaeco acredita que existem muito mais que receberam a visita dos criminosos. Em uma residência foram apreendidos 250 lacres de medidores de energia, o que faz os policiais acreditar que exista pelo menos uma centena de imóveis com esses equipamentos instalados.

Houve diligências em campo, onde os investigadores puderam comprovar in loco, como era feita a fraude no medidor. Os criminosos abordavam principalmente os empresários, mas também moradores, prometendo redução de até 50% na conta da energia elétrica. Mas também acontecia também o contrário, quando os criminosos foram procurados. A diferença da economia gerada no primeiro mês, era o pagamento ao grupo. Exemplo: se a fatura normal fosse R$ 30 mil, o pagamento para prestação do serviço era de R$ 15mil.

Neste vídeo, a primeira parte é um resumo do que foi ao ar em diversos veículos da mídia e é um resumo. O melhor são os detalhes que são explicados em mais de 30 minutos. Dê um play e assista.

 

Denúncias, problemas ou elogios? Escreva para contato@oblumenauense.com.br

Posts relacionados

*

*

Top