sábado, 25 setembro 2021
InícioSaúdeCidade de SC vive epidemia de dengue; três pessoas já morreram em...

Cidade de SC vive epidemia de dengue; três pessoas já morreram em 2021

Uma mulher de 33 anos foi a última vítima fatal. Até então, os últimos registros de morte pela doença no estado eram de 2016.

Uma mulher de 33 anos morreu em Joinville, depois de contrair a dengue. Ela foi a terceira vítima fatal da doença no Estado em 2021.  As outras duas foram na mesma cidade, de dois homens com 75 e 49 anos.

A informação foi confirmada pela pela Secretaria de Estado da Saúde de Santa Catarina, por meio da Diretoria de Vigilância Epidemiológica (DIVE/SC).  Os dados chamam a atenção, porque segundo a DIVE, até então, os últimos registros de morte por dengue em Santa Catarina eram de 2016. As duas na época ocorreram na região Oeste, nos municípios de Chapecó e Pinhalzinho.

O município de Joinville passa por uma epidemia de dengue com uma taxa de incidência de 563,9 casos por 100 mil/hab e concentra 84,8% dos casos autóctones (transmissão local) do estado. A Organização Mundial da Saúde define o nível de transmissão epidêmico quando a taxa de incidência é maior de 300 casos de dengue por 100 mil habitantes.

A DIVE/SC acompanha a situação do município. Ainda no começo desse mês, representantes da diretoria estiveram reunidos com a equipe da prefeitura de Joinville, técnicos das vigilâncias epidemiológica e ambiental e com a equipe da Regional de Saúde do município. Durante as reuniões, as ações de controle do mosquito Aedes aegypti e de orientação à população foram discutidas e alinhadas.

Além disso, a Regional de Saúde já realizou a aplicação de inseticida a Ultra Baixo Volume (UBV) nas áreas com casos confirmados no município.

Segundo a assessoria de imprensa da Secretaria de Promoção da Saúde de Blumenau, até esta terça-feira (18/05/21) já forma registrados 1.846 focos de Aedes aegypti. Um número assustadoramente maior do que no mesmo período do ano passado, quando foram detectados 594 focos.

O Blumenauense
Denúncias, problemas ou elogios? Escreva para contato@oblumenauense.com.br

MAIS LIDAS