segunda-feira, 27 setembro 2021
InícioEconomiaA brasileira Dynamix, de Blumenau, forma joint-venture com a italiana GPI

A brasileira Dynamix, de Blumenau, forma joint-venture com a italiana GPI

Dessa parceria surgiu a empresa Ziti, especialista em produtos de TI voltados para a área de saúde

O grupo italiano GPI, líder no setor de TI para saúde e serviços sociais, firmou a primeira parceria no Brasil com a Dynamix Software, de Blumenau. Juntas elas formaram a joint-venture Ziti, empresa que distribuirá e implantará as soluções italianas voltadas para o mercado de saúde. A Ziti já nasce grande visto que faz parte de um grupo de empresas que juntas somam quase 1,3 mil colaboradores em seis países, atendendo mais de 400 instituições de saúde.

Buster-Ziti_01

 

Buster-Ziti_02

A joint-venture com a Dynamix é resultado do processo de internacionalização pelo qual a GPI está passando desde o ano passado, quando resolveu expandir os negócios e não atender somente a Europa. Inicialmente, no Brasil serão comercializados alguns produtos do grupo, com destaque para o gerenciamento clínico e logístico de medicamentos para hospitais e farmácias. A solução Buster combina o gerenciamento clínico e logístico de medicamentos por meio de um software altamente qualificado e hardware de alta tecnologia que gerencia de forma automática o armazenamento e o fluxo de distribuição dos medicamentos em instituições de saúde – da farmácia central até os departamentos.

Buster-Ziti_03

O sistema emprega um novo conceito de dispensação de medicamentos, utiliza sofisticados gabinetes robóticos para a gestão e o armazenamento dos medicamentos combinado com um carrinho computadorizado para a administração na beira-do-leito. O sistema pode ser utilizado para dispensação de medicamentos no modelo dose unitária, mas o grande retorno está no conceito desenvolvido pelo Grupo GPI, que cria equipes de farmacêuticos e enfermeiros especializados na dispensação e na administração dos medicamentos aos pacientes.

Este conceito, além de trazer todos os benefícios da segurança e rastreabilidade, reduz a quantidade de medicamentos em estoque, elimina o risco de erros de prescrição/administração de medicamentos e traz uma contenção de consumo dos mesmos. De acordo com os dados obtidos nos clientes da GPI na Europa, os hospitais conseguiram baixar o custo com medicamentos com a sua dispensação em cerca de 2.558,00 Euro por leito, por ano (algo em torno de R$ 8 mil). Em um hospital de 300 leitos, por exemplo, a economia estimada é de cerca de R$ 2,5 milhões por ano. Dinheiro que pode ser reinvestido na instituição. O sistema Buster atualmente já está em implantação em um hospital em Florianópolis, Santa Catarina e alguns outros hospitais da capital paulista negociam a aquisição da solução também.

Imagens: Divulgação | Texto: Liliani Bento

O Blumenauense
Denúncias, problemas ou elogios? Escreva para contato@oblumenauense.com.br

MAIS LIDAS