terça-feira, 28 setembro 2021
InícioEsporteOlimpíadasBrasil quebra todos os seus recordes e faz campanha histórica nas Olimpíadas...

Brasil quebra todos os seus recordes e faz campanha histórica nas Olimpíadas do Japão

Nove pódios das mulheres, com direito a três ouros, ajudam a levar o país ao 12° lugar no quadro geral de medalhas.

Recorde de medalhas conquistadas (21); maior número de ouros em uma edição (7), igualando o Rio 2016; e pódios em 13 modalidades, outra marca inédita no evento. É dessa forma que o Comitê Olímpico do Brasil e o Time Brasil encerram a melhor participação de sua história em Jogos Olímpicos, em 12° lugar no quadro de medalhas (7 ouros, 6 pratas e 8 bronzes).

“Entregamos o que tínhamos como meta, que era superar o Rio 2016. Estar em 12° lugar no mundo, numa competição com 206 países, é um índice importante. Tenho convicção que o trabalho foi feito com muito gosto, vontade e determinação. Entregamos o que tínhamos como meta, e estamos satisfeitos com o resultado”, disse o presidente do COB, Paulo Wanderley.

Esta é apenas a segunda vez que um país apresenta melhora de resultados após ter sediado os Jogos na edição anterior. Antes, somente a Grã-Bretanha havia alcançado tal feito: abrigou o evento em Londres 2012 e obteve um desempenho superior no Rio 2016.

Um dos trunfos desta campanha foi o desempenho feminino. Pela primeira vez, as brasileiras conquistaram 3 ouros em uma edição e totalizaram nove pódios (foram ainda 4 pratas e 2 bronzes). Ao todo, as mulheres conquistaram 42,3% das medalhas do país, superando os 41,2% de Pequim 2008 (2 ouros, 1 prata e 4 bronzes).

“Tivemos uma evolução consistente no quadro de medalhas nas últimas quatro edições dos Jogos. Os números são extremamente relevantes no cenário internacional. Um dos principais objetivos desta Missão era oferecer momentos de alegria e emoção à população brasileira, em relação aos atletas, ao país e à valorização do brasileiro. Alcançar isso é motivo de satisfação para o COB”, falou o diretor de esportes do COB, Jorge Bichara.

Em retribuição aos excelentes resultados obtidos, o COB oferece aos medalhistas olímpicos as maiores premiações em dinheiro já distribuídas pela entidade: foram R$250 mil aos campeões em provas individuais, R$500 mil para duplas e R$750 aos esportes coletivas. Em cada categoria, os vice-campeões vão receber 60% deste valor e os medalhistas de bronze, 40%. Além disso, houve um investimento expressivo voltado especificamente aos Jogos Olímpicos, que, apesar de terem sido realizados em 2021, começaram há alguns anos.

“Nossa preparação para Tóquio começou em 2013, com um custo total aproximado de R$65 milhões, sendo R$46mi esse ano. Esse custo teve o impacto do enfrentamento à pandemia e também uma variação cambial de dólar e euro que trouxe grande impacto para a nossa organização. E nós temos entregado os resultados esportivos. Foi assim no Pan de Lima, nos Jogos Mundiais de Praia, em Doha, e foi assim em Tóquio”, revelou o diretor geral do COB, Rogério Sampaio.

O reconhecimento ao esforço e à dedicação dos atletas devem ser ainda mais exaltados neste ciclo olímpico, tendo em vista a pandemia da Covid-19 e o consequente adiamento dos Jogos. Para minimizar os efeitos desta mudança, o COB alterou seu planejamento para Tóquio e buscou oferecer um suporte ainda maior às modalidades. Entre as iniciativas criadas, destaque para a Missão Europa, realizada no segundo semestre de 2020, que proporcionou a retomada dos treinamentos dos atletas brasileiros em condições de segurança.

“Essa ideia surgiu da dificuldade dos nossos atletas treinarem no Brasil. Das 13 modalidades que medalharam nos Jogos, nove passaram pela Missão Europa. Isso foi muito importante para termos o resultado alcançado em Tóquio, um trabalho conjunto de equipe. Há muita coisa por trás desse quadro de medalhas”, contou o vice-presidente do COB e Chefe da Missão Tóquio, Marco La Porta.

Mas a Missão Tóquio 2020 não foi um sucesso para o Time Brasil apenas no âmbito esportivo. Graças aos protocolos extremamente rigorosos aplicados pelo COB e o compromisso assumidos por atletas, treinadores e oficiais, nenhum caso positivo foi registrado na delegação brasileira durante os Jogos. E, mesmo com boa parte dos integrantes vacinada, os cuidados com a saúde seguiram sendo os mesmos: testagem diária obrigatória e monitoramento dos riscos pela equipe médica, entre outras medidas.

“E o nosso protocolo também seguirá com o monitoramento por 14 dias no retorno ao Brasil. Vamos monitorar a nossa delegação e ver se há algum sintoma porque, querendo ou não, todos vão enfrentar uma viagem de mais de 24 horas para voltar ao Brasil”, explicou a infectologista Beatriz Perondi, que integrou a Missão brasileira pela primeira vez e é especialista em Medicina do Exercício e do Esporte, além de coordenadora da área de situações extremas do Hospital de Clínicas de São Paulo.

A partir de agora, o COB direciona suas atenções aos Jogos Olímpicos Paris 2024. O COB já realizou duas viagens à capital francesa, e uma terceira está prevista para outubro deste ano. Neste intervalo de tempo, o Time Brasil terá diversas competições preparatórias, como os Jogos Pan-americanos Júnior Cali 2021, os Jogos Sul-americanos Assunção 2022 e os Jogos Pan-americanos Santiago 2023.

Com uma história inspiradora, Rebeca Andrade representou tudo aquilo que o Brasil viveu nessa edição dos Jogos | Foto: Míriam Jeske [COB]
Com Rebeca Andrade de porta-bandeira, Brasil se despede de Tóquio 2020

O Time Brasil se despediu oficialmente de Tóquio 2020 na Cerimônia de Encerramento dos Jogos Olímpicos, realizada na noite deste domingo (8/08/21) no Japão (manhã no Brasil), celebrando a superação dos japoneses, que conseguiram organizar de forma bem-sucedida a 32ª edição do evento, apesar das incertezas causadas pela pandemia.

Coube à ginasta Rebeca Andrade, ouro no salto e prata no individual geral, carregar a bandeira brasileira na despedida dos Jogos. Ela esteve acompanhada por Francisco Porath, seu treinador; Hebert Conceição, campeão olímpico de boxe (até 75kg); Sebastián Pereira, Sub-chefe de Missão; Ana Carolina Côrte, coordenadora médica do COB; e Bira, funcionário mais antigo do COB, que representou os colaboradores da entidade.

“Foi uma sensação maravilhosa, uma emoção enorme. É difícil até descrever o que estou sentindo. Fui escolhida para ser a porta-bandeira, mesmo diante de tantos atletas maravilhosos e incríveis. Estou muito feliz e honrada. Hoje está sendo um dos melhores dias de toda a minha vida”, afirmou Rebeca.

A escolha de Rebeca como porta-bandeira é uma homenagem e um reconhecimento à ascensão das mulheres no esporte brasileiro, que bateram o recorde de pódios em uma edição olímpica: 9 das 21 medalhas do Time Brasil, sendo 3 ouros, 4 pratas e 2 bronzes.

Intitulada “O mundo que compartilhamos”, a cerimônia homenageou o povo local, especialmente os habitantes da cidade-sede dos Jogos. Um número artístico mostrou um típico dia no parque em Tóquio, e os tradicionais odoris, festivais de verão japoneses, também foram lembrados.

Como toda Cerimônia de Encerramento, um dos momentos mais aguardados foi a passagem de bastão para a próxima sede dos Jogos. Em Paris, diversos atletas celebraram a chegada de Paris 2024 ao lado da Torre Eiffel. O telão do Estádio Olímpico de Tóquio exibiu ainda um vídeo com diversas pessoas cantando a Marselhesa, hino nacional da França. Devido à pandemia, toda a apresentação ocorreu de forma virtual.

Outra tradição da Cerimônia de Encerramento foi a entrega das medalhas olímpicas aos três primeiros colocados nas maratonas feminina e masculina.

Após os discursos dos presidentes do COI, Thomas Bach, e do Comitê Organizador de Tóquio, Hashimoto Seiko, a pira olímpica foi apagada. Os japoneses terminaram a festa chamando a torcida para os Jogos Paralímpicos, que acontecem daqui duas semanas, também na capital japonesa.

Ainda celebrando a melhor campanha de sua história olímpica – 12° lugar no quadro geral de medalhas, com 21 conquistas – o Time Brasil já direciona seu foco para Paris 2024. Antes mesmo de Tóquio 2020, o COB enviou duas comitivas à capital francesa para estruturar a operação nos próximos Jogos Olímpicos.

Fonte: Comitê Olímpico do Brasil

O Blumenauense
Denúncias, problemas ou elogios? Escreva para contato@oblumenauense.com.br

MAIS LIDAS