quarta-feira, 19 janeiro 2022
InícioEconomiaAções trabalhistas diminuem pela metade após um ano da reforma trabalhista, diz...

Ações trabalhistas diminuem pela metade após um ano da reforma trabalhista, diz juiz

 

 

Por Marcos A. Bedin

Após quase um ano da implementação da Reforma Trabalhista – Lei 13.467/2017 – que entrou em vigor em 11 de novembro do ano passado, o número de ações trabalhistas diminuiu pela metade e o valor das causas é adequado. A afirmação é do Juiz Federal do Trabalho Marlos Melek, redator da redação da nova lei trabalhista, que palestrou nesta semana no evento “Papo de Gente e Gestão na Empresa”, em Chapecó. A promoção foi da Cooper Card, em parceria com o Sindicato dos Contabilistas de Chapecó (Sindicont).

De acordo com Melek, a reforma atingiu o objetivo de melhorar o ambiente de negócios e de racionalizar o sistema judicial. “Estamos em um momento de transição. Acredito que em mais um ano teremos a segurança jurídica que é o terceiro grande vetor da reforma”, frisou. A redução do número de processos trabalhistas foi, em média, de 50%. “Quando implementamos a reforma, nos dois, três anos que antecederam sua aprovação, tínhamos no Brasil 15 mil novas ações trabalhistas por dia. Conseguimos trazer esse número para um grau de racionalidade, o Estado trata o empreendedor de forma menos hostil e o trabalhador que vai à justiça tem agora processos mais rápidos porque a justiça não está tão sobrecarregada”, explanou.

 

 

Melek comentou que foram alterados 209 itens na legislação trabalhista. Durante a palestra, abordou 30 pontos considerados mais importantes que se revelam um grande potencial competitivo para os negócios para quem aplicar na prática. Um deles é a remuneração por meritocracia, ou seja, identificar os colaboradores que apresentam melhor desempenho e reconhecê-los. “Com a nova lei, o empregado que trabalha melhor e que veste a camisa pode ser remunerado por meritocracia. É mais dinheiro no bolso do trabalhador porque ele não vai pagar INSS sobre esse valor e nem a empresa. O prêmio pode ser pago em bens, produtos, serviços, dinheiro, por meio de cartão de benefícios, entre outros. Tem muitas médias e grandes empresas que já estão implementando e pequenas empresas também podem”, salientou.

Para o juiz, apesar de fazer um ano que a lei está em vigor, ainda há desconhecimento sobre todos os seus aspectos. “No ano passado a imprensa jogou luz em alguns temas que grupos da sociedade consideravam mais polêmicos. Vejo que ainda há um desconhecimento profundo sobre o tema”.

Uma orientação é buscar informação precisa e imparcial e avaliar o texto da reforma com racionalidade. A presidente do Sindicont, Sônia Innocente Disner, reforçou que é fundamental os contabilistas estarem atualizados sobre a legislação para orientar corretamente os clientes. “Muitos profissionais ainda têm dúvidas e acabam procurando o contador para esclarecê-las”, concluiu.

O Blumenauense
Denúncias, problemas ou elogios? Escreva para contato@oblumenauense.com.br

MAIS LIDAS