sábado, 16 outubro 2021
InícioEsporteFutebolAções judiciais do desastre aéreo da Chapecoense terá três frentes

Ações judiciais do desastre aéreo da Chapecoense terá três frentes

 

 

De acordo com reunião realizada em Chapecó, Santa Catarina, na última quarta-feira (24/10/18), as ações das famílias das vítimas do acidente aéreo da delegação da Chapecoense devem se desenvolver em três frentes. O encontro contou com a presença de especialistas, advogados, familiares e diretores do clube.

Segundo Josmeyr Oliveira, advogado da Associação dos Amigos das Vítimas do Voo da Chapecoense (AFAV-C), uma das ações será na Colômbia, contra a Aerocivil, órgão estatal que regulamenta a aviação civil daquele país. Essa ação deverá ter início até o dia 29 de novembro, data que se completam dois anos do acidente.

A segunda ação é uma carta-denúncia à ATS da Bolívia, órgão de fiscalização das seguradoras, questionando sobre o não pagamento do seguro da LaMia, companhia aérea contratada para o transporte da Chapecoense.

Está prevista ainda uma terceira ação que poderá ocorrer no Brasil ou nos Estados Unidos. De acordo com o advogado, será contra a LaMia Bolívia, LaMia Venezuela, seguradoras, resseguradoras e corretoras, entre outros envolvidos. Se acontecer no Brasil, existe maior possibilidade de prorrogar o prazo de ingresso da ação. Já nos Estados Unidos, o sucesso pode ser maior e mais rápido, uma vez que o contrato de locação da aeronave da Lamia para a Chapecoense foi redigido em Miami.

Em recente missão aos Estados Unidos, Colômbia e Bolívia, o advogado da AFAV-C declarou que teve acesso ao computador do ex-senador da Venezuela, Ricardo Albacete. Ele alega que operava apenas a LaMia Venezuela e alugava as aeronaves para a LaMia Bolívia, que seria operada pelo piloto, Miguel Quiroga, morto no acidente, e Marcos Rocha, exilado nos Estados Unidos. Mas, os e-mails trocados comprovaram a relação de Albacete com a empresa LaMia Bolívia.

O contrato com a LaMia foi firmado no dia 25 de novembro de 2016. O plano de voo previa levar a delegação de Chapecó até São Paulo, para cumprir o jogo com o Palmeiras, pelo Campeonato Brasileiro, e, em seguida, de São Paulo à Bolívia com destino a Medellin, na Colômbia, onde aconteceria o confronto contra o Atlético Nacional. Mas a Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) não autorizou o voo por não ter acordo aéreo com a Bolívia para a operação. Este fato fez com que a Chapecoense buscasse outra opção de companhia para chegar à Bolívia e depois ao destino final, Medellin.

A queda do avião que transportava toda a equipe da Associação Chapecoense de Futebol, tripulantes e jornalistas aconteceu em 29 de novembro de 2016, na Colômbia, deixando 71 mortos e 6 sobreviventes. A aeronave decolou de Santa Cruz de la Sierra (Bolívia) com destino a Medellín, na Colômbia.

O Blumenauense
Denúncias, problemas ou elogios? Escreva para contato@oblumenauense.com.br

MAIS LIDAS