quinta-feira, 4 março 2021
Início Geral Abandono e perigo no prédio que já abrigou a maior frota de...

Abandono e perigo no prédio que já abrigou a maior frota de ônibus urbanos de Blumenau

 

 

 

 

Por Claus Jensen

O fotógrafo Giovanni Silva registrou neste domingo (29/12/19) imagens do prédio abandonado da empresa que já foi responsável por quase todo transporte coletivo de Blumenau. Uma grande estrutura na Rua 2 de Setembro, no bairro Itoupava Norte, hoje habitada por moradores de rua, drogados e até criminosos. A Polícia Militar faz rondas, mas não pode fazer muita coisa, porque é um imóvel particular.

Uma situação que preocupa (e muito) os moradores e comerciantes da região. O prédio pertence a um banco e já foi a leilão em 2016, mas o pregão foi suspenso pela Justiça. O imóvel serviria como pagamento para uma dívida que a empresa Glória tinha com a instituição financeira, mas o valor foi questionado já que valia bem mais.

No fim dos anos de 1970, quando estudava no primeiro grau, usei muitas vezes os ônibus da empresa Nossa Senhora da Glória, na época instalada na esquina das ruas Timbó e São Paulo, ao lado da atual Sênior. Uma história que começou em 15 de Julho de 1962, quando a família Sackl (Luiz, Francisco Netto, Waldemar e Luiz Junior), compraram dos proprietários da Empresa Ulrich, as linhas Garcia-Blumenau.

Eles também foram os primeiros cobradores dos seis ônibus (um micro) que operavam a partir da garagem na Rua Amazonas, nº 1857, no bairro Garcia. O primeiro trajeto seguia próximo até a atual prefeitura, que na época sediava o colégio Luiz Delfino, transferido mais tarde para a Rua São José.

A Glória que chegou a transportar 2,1 milhões de passageiros mensais foi vendida no dia 1º de agosto de 2013. A empresa foi comprada pela holding URCA (Urbano de Campinas Ltda), de Minas Gerais, que tem outras operações na mesma área. Problemas com atrasos de pagamentos dos salários e outros, acabaram gerando várias paralisações em Blumenau.

Na época ela fazia parte do Consórcio Siga, responsável pelo transporte coletivo na cidade. Três anos depois, com o fim do consórcio durante a administração do ex-prefeito Napoleão Bernardes, encerrou-se uma história marcante em Blumenau. Aliás, aquela decisão acabou também com a operação da Rodovel, uma empresa que investia constantemente na qualidade do atendimento e dos veículos.

Confira as imagens de Giovanni Silva:

 

Claus Jensen
Claus Jensenhttp://www.oblumenauense.com.br
Trabalhei com publicidade há mais de 30 anos, fiz teatro durante 8, apresentei programa de televisão outros 5 e sou blogueiro desde 2007. Mas minha maior paixão é a família, e claro, essa fascinante Blumenau.

MAIS LIDAS